VV Vinhas Velhas Branco Niepoort
Nome: Vinhas Velhas Classe:  Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Bical/Maria Gomes Idade das Cepas:   80 anos Vinificação:  2015 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência disso, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior atrasando todo o ciclo vegetativo. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas últimas duas semanas de Agosto. A vindima começou em finais de Agosto nas vinhas velhas. A maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, conferindo bons ph´s ao vinho e resultando numa acidez total mais elevada do que no ano anterior. Foi vinificado em inox, onde fermentou durante 4 semanas, terminando depois em Fuders de 1000 L, onde decorreu a malolática e estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração Estágio:  20 meses em Fuders 1000L Notas de Provas: Leve e citrino na cor, num registo vibrante já habitual, expressivo e muito austero. As notas de calcário são muito evidentes, envolvidas por aromas de limão, especiarias e flores brancas. Num ano mais generoso na fruta, o perfil austero e mineral do Bical está em perfeito balanço com a expressividade da Maria Gomes. Na boca, impressiona pela leveza, embora encorpado e com muita garra. A acidez cítrica eleva o vinho para um patamar único, fresco, complexo, muito fino e elegante. Com um final de boca profundamente mineral, apresenta notas de frutos secos graças à longa e tranquila fermentação em Fuder. Um branco sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha Sugestões Gastronómicas:  Pratos de marisco, peixe assado no forno e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori). Como Servir:  Entre 8º e 10ºC Teor Alcoólico:  11,5% Vol. Análise Físico-Química Açúcar Residual  G/DM3 )  4 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.9 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,62 SO2 livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 22 SO2 Total ( MG/DM3 ) 85 Enólogo:  Dirk Niepoort
Buçaco Branco Bairrada
Nome:  Buçaco Classe:  Vinho Branco Designação:  D.O.C. Douro Idade das Cepas:  40-80 anos Castas:  Encruzado (Dão), Maria Gomes e Bical (Bairrada). Alexandre de Almeida, fundador da cadeia de hotéis com o mesmo nome, a mais antiga em Portugal, criou os Vinhos do Bussaco em 1917, quando, após inúmeras viagens por hotéis Europeus, nomeadamente os franceses da "Côte D'Azur", se apercebeu do conceito de Adega de Hotel. Adoptou, então, a ideia de criar uma adega própria no Palace Bussaco, iniciando a vinificação do que viriam a ser os gloriosos “vinhos do Bussaco”. No início do século XX, nascia uma das mais interessantes páginas do vinho português. Nascia o vinho que viria a tornar-se um ícone, alvo de cobiça, mas que sempre foi mantido, intencionalmente, fora das luzes da ribalta. O seu criador, Alexandre de Almeida, adoptou o conceito de aliar a hotelaria de luxo a uma adega com um vinho próprio. Se olharmos para trás, desde as suas primeiras colheitas, percebemos a importância deste ícone, que foi servido a reis, a rainhas e a chefes de estado, como comprovam as ementas, orgulhosamente guardadas no Hotel Palace Bussaco. Os vinhos do Buçaco eram mesmo assim: objectos de culto, limitados a círculos muito restritos, à elite. Os seus fantásticos e nobres rótulos mantêm até hoje o símbolo da sua nobreza. Vinificação: Durante a vindima, fez-se uma selecção criteriosa de todos os cachos na vinha e uma segunda triagem nas mesas de escolha à entrada da adega, seguida de uma prensagem lenta e delicada. O mosto fermentou naturalmente e estagiou em barricas de carvalho francês durante 8 meses, Notas de Prova:  Os Buçaco foram, e ainda são, sempre vinificados da mesma maneira e com os mesmos métodos de antigamente. O facto de as uvas terem origem nas regiões do Dão e da Bairrada garante um vinho genial, que evolui nobremente em garrafa. Estes vinhos fermentam e estagiam em barricas de carvalho francês durante 12 meses. Sugestões Gastronómicas:  Peixe Assado, Carnes Brancas, Massas com queijos. Como Servir:  Entre 8 e 10º C: Teor Alcoólico:  13% Vol.
Gonçalves Faria Branco 2013 Bairrada Niepoort
Nome: Gonçalves Faria Classe:  Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Bical e Maria Gomes Idade das Cepas:   80 anos Fermentação: Fuders 1000L Vinificação:  2013 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e Primavera. Como consequência, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior e todo o ciclo vegetativo se atrasou. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas duas últimas semanas de Agosto. A vindima iniciou-se nas vinhas mais velhas no final de Agosto. A maturação foi equilibrada, com as uvas a apresentar um bom teor de açúcar e um teor de ácido málico relativamente alto, originando uma acidez total mais elevada que no ano anterior. O Gonçalves Faria branco 2013 provém de várias parcelas de vinhas velhas e novas. Foi vinificado em inox, onde fermentou durante 3 semanas, terminando a fermentação em Fuders usados de 1.000 L. A fermentação maloláctica decorreu nos mesmos Fuders onde estagiou durante 18 meses. Foi engarrafado sem filtração. Nota Provas:  O Gonçalves Faria branco 2013  mostra um aroma mineral muito fino, austero, pleno de notas de limão muito frescas, em boa harmonia com um ligeiro fumado. Com um bom volume de boca e bastante estruturado, tem boa presença no palato. A elevada acidez equilibra o conjunto, num perfil muito fino e refrescante. Final de boca longo, marcadamente mineral. Irá evoluir muito bem em garrafa. Sugestões Gastronómicas:  Mariscos, pratos de peixe estufados (caldeirada), bem como carnes brancas. Queijos de pasta mole tipo Serra da Estrela Como Servir:  Entre 8º e 10ºC Teor Alcoólico:  10.5% Vol. Análise Físico-Química Açúcar Residual  G/DM3 )  1.6 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.41 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,52 SO2 Total ( MG/DM3 ) 82 Massa  Volúmica: (G/CM3) 0.9913 Enólogo:  Dirk Niepoort
Caracolete Branco 2015 Niepoort
Nome:  Caracolete 2015 Classe:  Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Bical e Maria Gomes Idade das Cepas:   50 a 80 Anos O Caracolete é um vinho proveniente de vinha velha, fermentação espontânea e maceração de uva inteira. Vinificação:  2015 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência disso, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior atrasando todo o ciclo vegetativo. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas últimas duas semanas de Agosto. A vindima começou em finais de Agosto nas vinhas velhas. A maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, conferindo bons pH´s ao vinho e resultando numa acidez total elevada . O Caracolete Branco 2015 provém de uma vinha velha de encosta. Foi vinificado em inox, onde fermentou com maceração pelicular durante um mês. A malolática ocorreu em inox , onde estagiou durante 5 anos. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação:  Em cubas de inox      Estágio:  5 anos em cubas de inox Nota Provas:  Com uma cor amarelo palha, na boca, com notas de calcário muito evidentes, envolvidas por aromas de flores de Laranjeira. A acidez cítrica eleva o vinho para um patamar único, fresco, complexo, muito fino e elegante. Com um final de boca austero e profundamente mineral. Um branco sério, distinto e que deve ser bebido em copos tipo Borgonha. Sugestões Gastronómicas:  Pratos de marisco, peixe assado e pratos de bacalhau. Acompanha muito bem pratos de inspiração japonesa, com sabores alcalinos e iodados (tal como a alga Nori). Como Servir:  Entre 8º e 10ºC Teor Alcoólico:  12% Vol. Análise Físico-Química Açúcar residual ( G/DM3 )  1.9 PH  3.05 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.2 Acidez volátil ( G/DM3 ) 0,54 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 10 SO2  Total ( MG/DM3): 70 Enólogo:  Dirk Niepoort APTO PARA VEGANOS & VEGETARIANOS sim
São Domingos Branco Bairrada
Nome: São Domingos Classe:  Vinho Branco Região:  Bairrada Designação: D.O.C. Bairrada Castas:  Bical, Arinto e Maria Gomes. Vinificação:  Processo tradicional de bica -aberta com 12 horas de maceração, prensagem a baixa pressão e fermentação em cuba de inox, a temperatura controlada de 18º/20ºC. Notas de Prova:  Notas aromáticas de alguma compota, envolvido em ligeiro balsâmico. Redondo e afinado na boca proporcionando leveza e frescura. Sugestões Gastronómicas:  Pratos peixe grelhado ou caldeirada. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13,5% Vol. Enólogo:  Susana Pinho e Nuno Bastos
São Domingos Prestigio Bical + Maria Gomes Branco
Nome:  São Domingos Classe:  Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Bical 60% e Maria Gomes 40% Vinificação:  Processo tradicional de bica -aberta com 12 horas de maceração, prensagem a baixa pressão e fermentação parcial em barricas novas de carvalho francês. Nota de Prova:  Notas aromáticas de alguma compota, envolvido em ligeiro balsâmico. Redondo e afinado na boca proporcionando leveza e frescura. Sugestões Gastronómicas:  Pratos peixe e marisco ou bebida de companhia. Como Servir:  Servir a 6º a 8ºC. Grau Alcoólico:  13,0% Vol. Enólogo:  Susana Pinho e Nuno Bastos
Volupia Branco Bairrada
Nome: Volupia Classe: Vinho Branco Região: Bairrada Designação: D.O.C. Bairrada Castas: Sauvignon Blanc (50%), Chardonnay (35%) e Maria Gomes (15%). História: Voluptuosidade e sedução, desejo e sabor, busca de harmonia e prazer de beber uva branca. Um desejo de amar perdidamente, amar só por amar, aqui e além. Seria assim que Florbela Espanca definiria este vinho branco cheio de poesia, carregado de sensualidade e irreverência, profundamente pessoal e feminino. A Prova: Aroma intenso e complexo, em que a mineralidade predomina sobre as notas florais e citrinas. Cheio e volumoso na boca, de acidez subtil, revela a fruta em toda a sua plenitude, tornando-se um conjunto de qualidade única. Sugestões Gastronómicas: Especialmente indicado para pratos com entradas de salmão, caldeirada de peixes ou enguias, e queijos de pasta dura. Como Servir: Servir a 8-10ºC Teor Alcoólico: 14,0% Vol. Enólogo: Susana Pinho e Nuno Bastos Prémios: Medalha de Prata 2011
Frei João Clássico Branco Bairrada
Nome: Frei João Clássico Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Cercial (80%) e/and Bical (20%) Vinificação:  As uvas da casta Cercial e Bical, colhidas no momento ideal de maturação, foram desengaçadas e esmagadas, tendo seguidamente macerado prolongadamente a 9º C. Após a prensagem das massas vínicas, o mosto fermentou em barricas de carvalho francês. Concluída a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 4 meses. Nota de Prova Cor:  Amarela palha Aroma:  Complexo, como notas minerais, frutadas, vegetais, especiadas e de barrica. Sabor:  Muito fresco e estruturado, o que lhe confere excelente aptidão para envelhecer. Sugestões Gastronómicas:  Peixes gordos, mariscos (p.e. ostras) e carnes magras, entre outras iguarias. Como Servir:  Entre 10º e 12ºC Teor Alcoólico:  12,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,49 Acidez total ( g tartárico/l ) ,7.6 ph: 3,05 Extracto seco total ( g/l ): 20.5 Açucares totais ( g/l ): 1.9 SO2  Total ( ml/l ): 92 Potencial de Envelhecimento: No mínimo 6 Anos Enólogo:  José Carvalheira
Frei João Reserva Branco Bairrada
Nome: Frei João Reserva Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Cercial (80%) e/and Bical (20%) Vinificação:  As uvas da casta Cercial e Bical, colhidas no momento ideal de maturação, foram desengaçadas e esmagadas, tendo seguidamente macerado prolongadamente a 9º C. Após a prensagem das massas vínicas, o mosto fermentou em barricas de carvalho francês. Concluída a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 4 meses. Nota de Prova Cor:  Amarela palha Aroma:  Complexo, como notas minerais, frutadas, vegetais, especiadas e de barrica. Sabor:  Muito fresco e estruturado, o que lhe confere excelente aptidão para envelhecer. Sugestões Gastronómicas:  Peixes gordos, mariscos (p.e. ostras) e carnes magras, entre outras iguarias. Como Servir:  Entre 10º e 12ºC Teor Alcoólico:  12,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,49 Acidez total ( g tartárico/l ) ,7.6 ph: 3,05 Extracto seco total ( g/l ): 20.5 Açucares totais ( g/l ): 1.9 SO2  Total ( ml/l ): 92 Potencial de Envelhecimento: No mínimo 6 Anos Enólogo:  José Carvalheira
Frei João Porque Branco Bairrada
Nome: Frei João Porquê Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Bical (50%), Arinto (25%) e/and Chardonnay (25%) Vinificação:  As uvas colhidas no momento ideal de maturação foram prensadas suavemente em prensa pneumática e o mosto fermentou em cuba de aço inoxidável a 16º C. Após a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 2 meses. Nota de Prova Cor:  Amarela citrina. Aroma:  Intenso a casca de citrinos, fruta tropical, flores e nuances minerais. Sabor:  Distingue-se pela sua excelente frescura gustativa e pelo belo aroma. Sugestões Gastronómicas: Peixes, mariscos, carnes magras e comida asiática . Como Servir:  Entre 7º e 9ºC Teor Alcoólico:  12,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,31 Acidez total ( g tartárico/l ) ,6.49 ph: 3,12 Extracto seco total ( g/l ): 20.9 Açucares totais ( g/l ): 1.7 SO2  Total ( ml/l ): 82 Potencial de Envelhecimento: No mínimo ¾ Anos Enólogo:  José Carvalheira
Frei João Bairrada Branco 1990
Nome: Frei João Branco 1990 Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC  Bairrada Vinificação:  As uvas colhidas no momento ideal de maturação foram prensadas suavemente em prensa pneumática e o mosto fermentou em cuba de aço inoxidável a 16º C. Após a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 2 meses. Sabor:  Distingue-se pela sua excelente frescura gustativa e pelo belo aroma. Sugestões Gastronómicas: Peixes, mariscos, carnes magras. Como Servir:  Entre 7º e 9ºC Teor Alcoólico:  11,9% Vol
Frei João Branco 1988
Nome: Frei João Branco 1988 Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC  Bairrada Vinificação:  As uvas colhidas no momento ideal de maturação foram prensadas suavemente em prensa pneumática e o mosto fermentou em cuba de aço inoxidável a 16º C. Após a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 2 meses. Sabor:  Distingue-se pela sua excelente frescura gustativa e pelo belo aroma. Sugestões Gastronómicas: Peixes, mariscos, carnes magras. Como Servir:  Entre 7º e 9ºC Teor Alcoólico:  11,9% Vol.