Kompassus Bairrada Baga Private Collection Tinto 2013
Nome:  Kompassus  Baga Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Vindima e Vinificação:  Setembro seco e os 5º mais quente desde 1931. Embora com pluviosidade nos últimos 5 dias.  Bom tempo em Outubro o que permitiu uma excelente maturação, cios a acidez . Vindima manual em finais Outubro 2º vindima após monda em Agosto. Desengaço Total com pisa pé. Fermentação em lagar aberto com Temperatura Controlada. Estágio em barricas de 400 litros barricas novas e usadas durante 18 meses. Nota Prova:  Muito Carácter e complexidade aromática, num registo de fruta contida, resinas, muita pimenta e especiarias . Os taninos da Baga estão perfeitamente cobertos , polidos com mestria, num vinho de grande estrutura e concentração mas ao mesmo tempo cheio de frescura e elegância. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 5,9 g/l Açucares totais: 3.20 g/l pH: 3.50 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
Kompassus Private Collection Tinto 2009
Nome:  Kompassus  Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Estagio:  Vindimado na 3.ª semana de Outubro. Vindima em tempo seco e quente — 35°C. Maturação equilibrada. Vindima com duas escolhas. Fermentação em lagar aberto com 20% de engaço e pisa a pé. 22 meses de estágio em barricas novas e usadas de 400 e 700 litros. Nota Prova:  Cheio e opulento, perfumado, com notas especiadas, barro, fruta vermelha e preta, muito complexo, austero e elegante. Poderoso mas com textura aveludada, acidez muito fresca, longo, sedutor, mas sempre sério e reservado. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 6,7 g/l Açucares totais: 4,6 g/l pH: 3,45 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
KOMPASSUS Baga – Coleção Privada 1991
Nome:  KOMPASSUS BAGA – COLEÇÃO PRIVADA 1991 No ano que se comemora os 25 anos dedicados á produção de vinhos da bairrada, João póvoa assinala o momento com o lançamento Kompassus Baga 1991 – Colecção Privada. Um vinho singular do ano de 1991 numa gama Super Premium, edição comemorativa limitada a 220 garrafas numeradas. É um vinho feito exclusivamente da casta Baga, incomparável, grandioso e impressionante. Na coré intenso, finíssimo no aroma e grande na complexidade de boca, mostra-se ainda cheio de força e com um enorme requinte. Um vinho raro e de incomparável excelência. PRÉMIOS E DISTINÇÕES 18,5 pontos - por João Afonso in Revista de Vinhos Julho 2016 98 pontos - por José Augusto Moreira in Vinhos Provas Publico 8 Out 2016 19 pontos - por Luís Lopes in Revista de Vinhos Novembro 2016
Kompassus Private Collection Tinto 2009 – Magnum 1,5 L
Nome:  Kompassus  Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Estagio:  Vindimado na 3.ª semana de Outubro. Vindima em tempo seco e quente — 35°C. Maturação equilibrada. Vindima com duas escolhas. Fermentação em lagar aberto com 20% de engaço e pisa a pé. 22 meses de estágio em barricas novas e usadas de 400 e 700 litros. Nota Prova:  Cheio e opulento, perfumado, com notas especiadas, barro, fruta vermelha e preta, muito complexo, austero e elegante. Poderoso mas com textura aveludada, acidez muito fresca, longo, sedutor, mas sempre sério e reservado. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 6,7 g/l Açucares totais: 4,6 g/l pH: 3,45 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
Poeirinho Tinto Bairrada Niepoort
Nome: POEIRINHO Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  100 anos O Poeirinho. O Poeirinho, cujo nome é a antiga designação da casta Baga, é um tributo aos grandes vinhos bairradinos do passado, que eram leves na cor e no grau alcoólico, mas que tinham um enorme potencial de envelhecimento. A grande paixão de Dirk Niepoort por esta casta. Vinificação: 2015 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior e todo o ciclo vegetativo se atrasou. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas duas últimas semanas de Agosto. A vindima começou em meados de Setembro, nas vinhas velhas, com a maturação muito equilibrada, um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, resultando numa acidez total mais alta do que no ano anterior. O Poeirinho 2015 provém de várias parcelas de vinhas muito velhas. Foi vinificado em lagar aberto e cuba fechada onde fez maceração carbónica e onde fermentou durante 4​ semanas terminando a fermentação em tonel. A fermentação malolática decorreu nos mesmo tonéis usados de 2500L, onde estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação: Lagar / inox com maceração carbónica. Notas de Provas: Em 2015 o Poeirinho mostra uma cor violeta muito brilhante. No aroma é muito generoso, com fruta, muito expressivo e aromático. Com o tempo no copo demonstra muita classe, num aroma muito fino e delicado. Impressiona pelas notas salinas, marítimas, muito típicas do terroir de calcário. Na boca é muito preciso, com uma enorme estrutura e muita garra. É incisivo, profundamente mineral e refrescante, com fruta fresca (cerejas, morangos e bagas silvestres). A acidez elevada e os taninos presentes mas polidos fazem-nos crer que irá evoluir muito bem em garrafa. Final muito longo, vertical e fresco. Deve-se apreciar ligeiramente fresco (15ºC) e em copos tipo Pinot Noir. Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Açúcar residual  G/DM3 )  1 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.4 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,64 SO2  Total ( MG/DM3): 60 Enólogo:  Dirk Niepoort
Poeirinho Garrafeira Tinto Niepoort
Nome: Poeirinho Garrafeira Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos Com a primeira edição do Poeirinho 2012, Dirk Niepoort resolveu deixar de parte 2 tonéis para um estágio mais prolongado, com o intuito de criar um Garrafeira da Bairrada. O vinho manteve sempre uma enorme frescura e o longo estágio permitiu que ganhasse mais complexidade e estrutura. O Poeirinho Garrafeira 2012 provém de várias parcelas muito velhas, algumas das quais centenárias Vinificação: A vindima começou em finais de Setembro. Nas vinhas velhas, a maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, tendo conferido bons pHs ao vinho, embora a acidez total fosse menor do que no ano anterior. Parte do vinho foi vinificado em lagar, e outra em cubas de inox, onde fermentou e macerou durante 4 semanas. A malolática ocorreu em tonéis velhos de 2500L, onde estagiou durante 3 anos e meio. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação:  Lagar com 20% de engaço e cuba de inox com 15% de engaço. Notas de Provas: O Poeirinho Garrafeira 2012 mostra uma cor violeta. Apresenta um nariz com uma enorme complexidade, muito expressivo nas notas de frutos vermelhos, algumas especiarias, folhas de tabaco e com um lado floral muito fresco. A pureza de aromas e a sua enorme frescura impressionam. O terroir calcário vibra no aroma e potencia a elegância e finesse da casta Baga. Na boca, é muito fino, complexo e de enorme precisão. Muito polido e com uma excelente acidez, mostra uns taninos muito delicados. Com muito carácter, este Garrafeira apresenta um enorme equilíbrio e embora ainda jovem dá já muito prazer. Final de boca refrescante, muito longo e fino, vai crescendo à medida que se vai provando. Elegante mas profundo, o Garrafeira irá envelhecer muito bem em garrafa Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  12.0% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.6 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.18 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,58 SO2  Total ( MG/DM3): 46 Enólogo:  Dirk Niepoort
Syrah Tinto Bairrada Niepoort
Nome: SYRAH Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas: Syrah Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos O SYRAH:  Dirk sempre foi um grande fã dos vinhos de Côtes-du-Rhode, em especial dos Côte-Rotie e Hermitage. Na Quinta de Baixo, é nossa intenção fazer um Syrah com carácter, que expresse o fantástico potencial dos nossos solos argilo-calcários. Em 2012, a primeira edição foi vinificada apenas num tonel velho, com mínima intervenção e seguindo os primeiros passos da Biodinâmica. Vinificação:  A produção foi menor devido à falta de água no solo e a alguma chuva durante a floração e, como tal, os cachos e bagas apresentaram-se mais pequenos do que o normal, cerca de 20% a 30%, quando comparados com o ano anterior. A vindima começou no início de Setembro. As uvas de Syrah foram vinificadas em lagar tradicional com pisa a pé muito ligeira, onde se utilizou 20% de engaço. O vinho fermentou e estagiou num único tonel velho de 2500L, sem qualquer extracção, durante 20 meses. Notas de Provas: O Quinta de Baixo Syrah 2012 mostra uma bonita cor violeta de média concentração. Ainda muito jovem no aroma, revela-se vibrante nas notas de fruta preta e ervas. Complexo e muito elegante, com notas de pimenta preta e de pedra que espelham em perfeição todo o carácter desta casta. Na boca, é um vinho muito elegante, com um equilíbrio notável. Preciso, fino e com uma boa acidez natural. O estágio em tonel confere-lhe taninos firmes mas muito harmoniosos. Final de boca muito longo, com notas de frutos silvestres e de especiarias. Sugestões Gastronómicas:  Carne de caça, rosbife e em ligações gastronómicas com frutos silvestres. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13% Vol. Análise Físico-Química Extracto Seco:  20.4 Acidez residual  G/DM3 )  1.5 PH  3.39 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.71 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,68 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 24 SO2  Total ( MG/DM3): 55 Massa Volúmica ( G/CM3) 0.9899 Enólogo:  Dirk Niepoort
Lagar de Baixo Bairrada Niepoort
Nome: Lagar de Baixo Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  20 anos Na sua segunda edição, o Lagar de Baixo 2013 continua com a mesma missão, a de reflectir o potencial da Baga da Bairrada, num registo clássico. O Lagar de Baixo Tinto é o resultado da junção de uvas de vinhas muito velhas com uvas de vinhas mais jovens, um tinto complexo e sério, mas com juventude e garra. Fermentação: Lagar/Barrica/Tonel Vinificação: A vindima começou nas vinhas mais novas no início de Setembro. A maturação foi equilibrada, com as uvas a apresentar um bom teor de açúcar e um teor de ácido málico relativamente alto, o que originou uma acidez total mais elevada que no ano anterior. O Lagar de Baixo 2013 foi vinificado em lagar, onde fermentou durante 4 semanas, terminando a fermentação em barrica e tonel. A fermentação maloláctica decorreu em barrica usada de 228L e em tonel usado de 2500L, onde estagiou durante 18 meses. Foi engarrafado sem filtração. Notas de Provas: Mais leve na cor que o seu antecessor, apresenta aroma de cerejas e amoras, com ligeiro perfil vegetal a lembrar engaço. A barrica está plenamente integrada, num conjunto delicado, muito perfumado e expressivo. Na boca, sente-se garra, muita precisão e taninos bem presentes, ligeiramente terrosos, muito típicos da casta Baga. Embora tenha um volume de boca ligeiro, a estrutura no palato é vigorosa, com um final de boca muito refrescante, limpo e com muita vivacidade. Com apenas 11,3% e um excelente equilíbrio, convida-nos sempre para mais um copo, sem pesar. Deve servir-se em copo Borgonha e ligeiramente refrescado (14º/15ºC). Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça (perdiz, javali), feijoada, bacalhau assado. Sugestões vegetarianas:  pratos com leguminosas (feijão vermelho, lentilhas). Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.4 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.04 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,79 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 25 Enólogo:  Dirk Niepoort  
Drink Me Nat Cool Tinto Bairrada
Nome: Nat Cool Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  80 a 100 anos Fermentação: Em inox com maceração carbónica. Nat Cool, naturalmente “cool and funky”, é um conceito inovador criado pela Niepoort, um movimento de união entre diversos produtores com o objectivo de criar vinhos leves e fáceis de beber. Na Bairrada criámos o DrinkMe, o primeiro Nat Cool, onde procuramos mostrar um lado diferente e elegante da casta Baga. Um vinho incrivelmente fácil e directo, que se deixa beber. Benvindo ao universo NAT COOL! Vinificação: O Inverno 2016/2017, na Bairrada, foi muito seco. Na Primavera houve alguma precipitação, em finais de Abril princípio de Maio, mas o Verão voltou a ser muito seco. O valor baixo de humidade permitiu que a incidência de doenças fosse praticamente nula e que não houvesse necessidade de tratamentos na vinha. Devido à seca extrema, o amadurecimento da uva foi muito precoce e com o calor intenso que se fez sentir, a vindima acabou por se antecipar cerca de 3 semanas relativamente ao ano anterior, iniciando-se a 17 de Agosto e terminando a 19 de Setembro. Foi um ano bom, com os vinhos a apresentar uma cor mais intensa e um grau alcoólico mais elevado do que no ano anterior, mas com uma acidez muito equilibrada. O NAT COOL 2017 provém de várias parcelas de vinhas velhas e foi vinificado em inox​,​ onde fermentou durante 5​ semanas, com maceração carbónica. A malolática decorreu em ​Inox, onde o vinho estagiou até ao engarrafamento. Foi engarrafado sem filtração Notas de Provas: Leve na cor, o 2017 mostra um perfil mais frutado mas também mais fresco e floral que a primeira edição. O carácter da Baga e da Bairrada estão bem presentes, com fruta vermelha, algumas especiarias e um perfil mineral que nos remete para o calcário e para um clima marcadamente atlântico. Fresco, directo e muito sedutor, é um vinho que não pesa, um vinho que se deixa beber com muita facilidade e que nos convida sempre para mais um copo. Muito versátil na ligação gastronómica, onde basta uma mesa com amigos para ter sucesso. Sirva refrescado. Puro prazer! Naturalmente cool. Sugestões Gastronómicas:  Pratos leves e simples, comida conforto. Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  2.1 Acidez Total ( G/DM3 ) 4.91 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,66 SO2  Total  ( MG/DM3 ) 52 Enólogo:  Dirk Niepoort
Gonçalves Faria Tinto Bairrada Niepoort
Nome: Gonçalves Faria Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:   70 anos Fermentação: Lagar/Angoreta. Vinificação:  2013 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência disso, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior e todo o ciclo vegetativo se atrasou. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas duas últimas semanas de Agosto. A vindima começou em fins de Setembro em vinhas velhas. A maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, tendo conferido bons pH ao vinho, resultando numa acidez total maior do que no ano anterior. Os vinhos tintos são equilibrados e com boa frescura. O Gonçalo Faria tinto 2013 provém de várias parcelas de vinhas velhas. Foi vinificado em lagar aberto, onde fermentou durante 4 semanas e terminou a fermentação em tonel. A maloláctica ocorreu em tonel usado de 2500L, onde o vinho estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração Nota Provas:  Com uma bonita cor violeta de ligeira concentração, o aroma é muito fino, profundo e complexo. Notas de frutos do bosque em harmonia com um intenso perfil mineral, onde as notas de giz saltam do copo. Embora muito jovem, impressiona pela harmonia, com os taninos sedosos envolvidos em notas de fruta fresca. De enorme estrutura e potência, todo o conjunto é delicado, elegante e muito fino, graças à frescura da fruta e à excelente acidez. Final refrescante, quase salgado e muito focado no terroir de calcário. Um vinho perfeito para beber em novo e sentir toda a sua harmonia, mas que envelhecerá com grandeza. Sugestões Gastronómicas:  Pratos com alguma gordura (bacalhau, polvo, porco preto) e casa muito bem com arroz de marisco. Como Servir:  Entre 14º e 16ºC Teor Alcoólico:  11% Vol. Análise Físico-Química Açúcar Residual  G/DM3 )  1.2 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.44 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,76 SO2 Total ( MG/DM3 ) 44 Enólogo:  Dirk Niepoort
Buçaco Tinto Bairrada
Nome: Buçaco Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  70% Baga, 30% Touriga Nacional Idade das Cepas:  20 a 40 anos No início do Século XIX, nascia uma das mais interessantes páginas do Vinho Português, nascia um vinho que viria a tornar-se um ícone, alvo de cobiça, mas que sempre foi mantido, por vontade própria, fora das luzes da ribalta. O seu criador, Alexandre de Almeida, importou o conceito de aliar a hotelaria de luxo a uma adega e um vinho próprio. Nasciam assim os grandes Vinhos do Buçaco. Se olharmos para trás, desde as suas primeiras colheitas, percebemos a importância deste ícone, que foi servido a reis, a rainhas, a chefes de estado, como comprovam as ementas, orgulhosamente guardadas no Hotel Palace Bussaco. Os vinhos do Buçaco, eram assim mesmo, objectos de culto, limitados a círculos muito fechados, à elite. Os Buçaco, foram, e ainda o são, sempre vinificados da mesma maneira, com os mesmos preceitos de antigamente. A sua "mistura", das regiões do Dão e da Bairrada, garantia assim, um vinho genial, que evoluía nobremente em garrafa e os seus fantásticos e nobres rótulos, que mantêm até aos dias de hoje, o símbolo do seu pedigree, da sua estirpe. Beber um Buçaco é viajar no tempo, é beber um vinho glorioso, criado por Alexandre Almeida, um visionário. Oportunidade esta que todos os que apreciam o Vinho, deveriam ter, nem que seja uma vez na vida Vinificação: Optou-se por engarrafar este vinho proveniente da Vinha da Mata, uma vinha singular na Bairrada, em plena Mata do Buçaco. É engarrafado apenas em anos excepcionais. O vinho fermenta e estagia em barricas de carvalho francês durante 12 meses. A fermentação maloláctica ocorre em barrica Notas de Provas: O Vinha da Mata é vigorosa, apresentando um perfil aromático complexo. Com fruta preta, flores e uma boa tosta, é um vinho estruturado, com taninos presentes mas muito finos. Revela-se complexo e intenso num final de boca muito longo. Um vinho para durar. "Beber um Buçaco é viajar no tempo, é beber um vinho glorioso, criado por Alexandre de Almeida, um visionário. Todos os apreciadores de vinho deveriam ter essa oportunidade, pelo menos, uma vez na vida." Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça (perdiz, javali), feijoada, bacalhau assado. Sugestões vegetarianas:  pratos com leguminosas (feijão vermelho, lentilhas). Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13.5% Vol.
Merlot Tinto Bairrada Niepoort
Nome: Merlot Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Merlot Idade das Cepas:  20 anos Apesar de se considerar a Bairrada como o terroir perfeito para a casta Baga, existe na Quinta de Baixo uma pequena parcela de Merlot, com pouco mais de 1 hectare, plantada há cerca de 20 anos e que é um desafio para Dirk Niepoort, sendo ele um apaixonado pelos vinhos velhos de Bordéus, de onde esta casta é originária. Com esta vinha, a intenção é produzir-se um Merlot com carácter, que expresse o fantástico potencial dos solos argilo-calcários, característicos desta região. O 2012, a primeira edição, foi vinificado em barricas usadas de carvalho francês, com mínima intervenção, seguindo os primeiros passos da Biodinâmica. Vinificação: A vinificação decorreu durante o mês de Setembro. Após uma selecção na vinha, foi efectuada uma segunda selecção na mesa de escolha. Fermentou em lagar com 20% de engaço e pisa a pé. O vinho estagiou durante 20 meses em barricas de carvalho francês, onde ocorreu a fermentação maloláctica Notas de Provas: De cor grená de média concentração, o Merlot 2012 tem um aroma clássico de frutos vermelhos, aromas de bosque e notas de couro muito delicadas. A barrica está perfeitamente integrada, dando complexidade aromática num perfil elegante mas com alguma rusticidade. No palato, mostra-se firme e com intensidade, com um bom equilíbrio entre os taninos e a acidez. Final de boca longo, bastante mineral, com frescura e persistência. O longo estágio em garrafa permitiu que o vinho se mostre agora polido, muito harmonioso e perfeito para pratos de comida tradicional Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça, cogumelos. Estufados de Vitela. Arroz de Pato à antiga. Sugestões vegetarianas:  Cogumelos shiitake e/ou Porccini. Trufa Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13.5% Vol. Análise Físico-Química Açúcar residual  G/DM3 )  1.9 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.08 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,55 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 49 Enólogo:  Dirk Niepoort