Poeirinho Tinto Bairrada Niepoort
Nome: POEIRINHO Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos O Poeirinho, Cujo nome reflecte o nome antigo da casta Baga é como que um tributo aos grandes vinhos bairradinos do passado Fermentação: O Inverno na Bairrada foi longo, rigoroso e com uma precipitação elevada, como já tinha acontecido em 2013. Uma Primavera quase inexistente e um Verão com temperaturas a rondar os 30°C dificultaram o controlo de doenças e a maturação. Na vinha, iniciou-se o controlo de maturação em meados de Agosto, provando-se o bago e verificando-se o aspecto sanitário das uvas. A vindima começou no início de Setembro. O Poeirinho foi vinificado em lagar, onde fermentou durante 4 semanas, terminando a fermentação em tonel usado de 2500 L. A fermentação malolática decorreu no mesmo tonel, onde estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração. Notas de Provas: O Poeirinho 2014 mostra uma cor violeta viva de ligeira concentração. O aroma é muito fino e complexo, com o terroir a sobressair de uma forma notável. Respira-se calcário em plena harmonia com notas de especiarias, cereja e frutos silvestres. Na boca, impressiona pela precisão, com uma enorme estrutura e muita garra. É incisivo, profundamente mineral e refrescante. A acidez elevada e os taninos presentes mas polidos fazem-nos crer que irá crescer muito em garrafa. Final muito longo, vertical e fresco. Com apenas 11% deve-se apreciar ligeiramente fresco (15ºC) e em copos tipo Pinot Noir Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.2 PH  3.49 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.4 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,69 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 15 SO2  Total ( MG/DM3): 43 Enólogo:  Dirk Niepoort
Poeirinho Garrafeira Tinto Niepoort
Nome: Poeirinho Garrafeira Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos Com a primeira edição do Poeirinho 2012, Dirk Niepoort resolveu deixar de parte 2 tonéis para um estágio mais prolongado, com o intuito de criar um Garrafeira da Bairrada. O vinho manteve sempre uma enorme frescura e o longo estágio permitiu que ganhasse mais complexidade e estrutura. O Poeirinho Garrafeira 2012 provém de várias parcelas muito velhas, algumas das quais centenárias Vinificação: A vindima começou em finais de Setembro. Nas vinhas velhas, a maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, tendo conferido bons pHs ao vinho, embora a acidez total fosse menor do que no ano anterior. Parte do vinho foi vinificado em lagar, e outra em cubas de inox, onde fermentou e macerou durante 4 semanas. A malolática ocorreu em tonéis velhos de 2500L, onde estagiou durante 3 anos e meio. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação:  Lagar com 20% de engaço e cuba de inox com 15% de engaço. Notas de Provas: O Poeirinho Garrafeira 2012 mostra uma cor violeta. Apresenta um nariz com uma enorme complexidade, muito expressivo nas notas de frutos vermelhos, algumas especiarias, folhas de tabaco e com um lado floral muito fresco. A pureza de aromas e a sua enorme frescura impressionam. O terroir calcário vibra no aroma e potencia a elegância e finesse da casta Baga. Na boca, é muito fino, complexo e de enorme precisão. Muito polido e com uma excelente acidez, mostra uns taninos muito delicados. Com muito carácter, este Garrafeira apresenta um enorme equilíbrio e embora ainda jovem dá já muito prazer. Final de boca refrescante, muito longo e fino, vai crescendo à medida que se vai provando. Elegante mas profundo, o Garrafeira irá envelhecer muito bem em garrafa Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  12.0% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.6 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.18 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,58 SO2  Total ( MG/DM3): 46 Enólogo:  Dirk Niepoort
Syrah Tinto Bairrada Niepoort
Nome: SYRAH Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos O SYRAH:  Dirk sempre foi um grande fã dos vinhos de Côtes-du-Rhode, em especial dos Côte-Rotie e Hermitage. Na Quinta de Baixo, é nossa intenção fazer um Syrah com carácter, que expresse o fantástico potencial dos nossos solos argilo-calcários. Em 2012, a primeira edição foi vinificada apenas num tonel velho, com mínima intervenção e seguindo os primeiros passos da Biodinâmica. Vinificação:  A produção foi menor devido à falta de água no solo e a alguma chuva durante a floração e, como tal, os cachos e bagas apresentaram-se mais pequenos do que o normal, cerca de 20% a 30%, quando comparados com o ano anterior. A vindima começou no início de Setembro. As uvas de Syrah foram vinificadas em lagar tradicional com pisa a pé muito ligeira, onde se utilizou 20% de engaço. O vinho fermentou e estagiou num único tonel velho de 2500L, sem qualquer extracção, durante 20 meses. Notas de Provas: O Quinta de Baixo Syrah 2012 mostra uma bonita cor violeta de média concentração. Ainda muito jovem no aroma, revela-se vibrante nas notas de fruta preta e ervas. Complexo e muito elegante, com notas de pimenta preta e de pedra que espelham em perfeição todo o carácter desta casta. Na boca, é um vinho muito elegante, com um equilíbrio notável. Preciso, fino e com uma boa acidez natural. O estágio em tonel confere-lhe taninos firmes mas muito harmoniosos. Final de boca muito longo, com notas de frutos silvestres e de especiarias. Sugestões Gastronómicas:  Carne de caça, rosbife e em ligações gastronómicas com frutos silvestres. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13% Vol. Análise Físico-Química Extracto Seco:  20.4 Acidez residual  G/DM3 )  1.5 PH  3.39 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.71 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,68 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 24 SO2  Total ( MG/DM3): 55 Massa Volúmica ( G/CM3) 0.9899 Enólogo:  Dirk Niepoort
Lagar de Baixo Bairrada Niepoort
Nome: Lagar de Baixo Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  20 anos Na sua segunda edição, o Lagar de Baixo 2013 continua com a mesma missão, a de reflectir o potencial da Baga da Bairrada, num registo clássico. O Lagar de Baixo Tinto é o resultado da junção de uvas de vinhas muito velhas com uvas de vinhas mais jovens, um tinto complexo e sério, mas com juventude e garra. Fermentação: Lagar/Barrica/Tonel Vinificação: A vindima começou nas vinhas mais novas no início de Setembro. A maturação foi equilibrada, com as uvas a apresentar um bom teor de açúcar e um teor de ácido málico relativamente alto, o que originou uma acidez total mais elevada que no ano anterior. O Lagar de Baixo 2013 foi vinificado em lagar, onde fermentou durante 4 semanas, terminando a fermentação em barrica e tonel. A fermentação maloláctica decorreu em barrica usada de 228L e em tonel usado de 2500L, onde estagiou durante 18 meses. Foi engarrafado sem filtração. Notas de Provas: Mais leve na cor que o seu antecessor, apresenta aroma de cerejas e amoras, com ligeiro perfil vegetal a lembrar engaço. A barrica está plenamente integrada, num conjunto delicado, muito perfumado e expressivo. Na boca, sente-se garra, muita precisão e taninos bem presentes, ligeiramente terrosos, muito típicos da casta Baga. Embora tenha um volume de boca ligeiro, a estrutura no palato é vigorosa, com um final de boca muito refrescante, limpo e com muita vivacidade. Com apenas 11,3% e um excelente equilíbrio, convida-nos sempre para mais um copo, sem pesar. Deve servir-se em copo Borgonha e ligeiramente refrescado (14º/15ºC). Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça (perdiz, javali), feijoada, bacalhau assado. Sugestões vegetarianas:  pratos com leguminosas (feijão vermelho, lentilhas). Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.4 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.04 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,79 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 25 Enólogo:  Dirk Niepoort  
Drink Me Nat Cool Tinto Bairrada
Nome: Nat Cool Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  80 a 100 anos Fermentação: Em inox com maceração carbónica. Nat Cool, naturalmente “cool and funky”, é um conceito inovador criado pela Niepoort, um movimento de união entre diversos produtores com o objectivo de criar vinhos leves e fáceis de beber. Na Bairrada criámos o DrinkMe, o primeiro Nat Cool, onde procuramos mostrar um lado diferente e elegante da casta Baga. Um vinho incrivelmente fácil e directo, que se deixa beber. Benvindo ao universo NAT COOL! Vinificação: O Inverno 2016/2017, na Bairrada, foi muito seco. Na Primavera houve alguma precipitação, em finais de Abril princípio de Maio, mas o Verão voltou a ser muito seco. O valor baixo de humidade permitiu que a incidência de doenças fosse praticamente nula e que não houvesse necessidade de tratamentos na vinha. Devido à seca extrema, o amadurecimento da uva foi muito precoce e com o calor intenso que se fez sentir, a vindima acabou por se antecipar cerca de 3 semanas relativamente ao ano anterior, iniciando-se a 17 de Agosto e terminando a 19 de Setembro. Foi um ano bom, com os vinhos a apresentar uma cor mais intensa e um grau alcoólico mais elevado do que no ano anterior, mas com uma acidez muito equilibrada. O NAT COOL 2017 provém de várias parcelas de vinhas velhas e foi vinificado em inox​,​ onde fermentou durante 5​ semanas, com maceração carbónica. A malolática decorreu em ​Inox, onde o vinho estagiou até ao engarrafamento. Foi engarrafado sem filtração Notas de Provas: Leve na cor, o 2017 mostra um perfil mais frutado mas também mais fresco e floral que a primeira edição. O carácter da Baga e da Bairrada estão bem presentes, com fruta vermelha, algumas especiarias e um perfil mineral que nos remete para o calcário e para um clima marcadamente atlântico. Fresco, directo e muito sedutor, é um vinho que não pesa, um vinho que se deixa beber com muita facilidade e que nos convida sempre para mais um copo. Muito versátil na ligação gastronómica, onde basta uma mesa com amigos para ter sucesso. Sirva refrescado. Puro prazer! Naturalmente cool. Sugestões Gastronómicas:  Pratos leves e simples, comida conforto. Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  2.1 Acidez Total ( G/DM3 ) 4.91 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,66 SO2  Total  ( MG/DM3 ) 52 Enólogo:  Dirk Niepoort
Buçaco Tinto Bairrada
Nome: Buçaco Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  70% Baga, 30% Touriga Nacional Idade das Cepas:  20 a 40 anos No início do Século XIX, nascia uma das mais interessantes páginas do Vinho Português, nascia um vinho que viria a tornar-se um ícone, alvo de cobiça, mas que sempre foi mantido, por vontade própria, fora das luzes da ribalta. O seu criador, Alexandre de Almeida, importou o conceito de aliar a hotelaria de luxo a uma adega e um vinho próprio. Nasciam assim os grandes Vinhos do Buçaco. Se olharmos para trás, desde as suas primeiras colheitas, percebemos a importância deste ícone, que foi servido a reis, a rainhas, a chefes de estado, como comprovam as ementas, orgulhosamente guardadas no Hotel Palace Bussaco. Os vinhos do Buçaco, eram assim mesmo, objectos de culto, limitados a círculos muito fechados, à elite. Os Buçaco, foram, e ainda o são, sempre vinificados da mesma maneira, com os mesmos preceitos de antigamente. A sua "mistura", das regiões do Dão e da Bairrada, garantia assim, um vinho genial, que evoluía nobremente em garrafa e os seus fantásticos e nobres rótulos, que mantêm até aos dias de hoje, o símbolo do seu pedigree, da sua estirpe. Beber um Buçaco é viajar no tempo, é beber um vinho glorioso, criado por Alexandre Almeida, um visionário. Oportunidade esta que todos os que apreciam o Vinho, deveriam ter, nem que seja uma vez na vida Vinificação: Em 2010, optou-se por engarrafar este vinho proveniente da Vinha da Mata, uma vinha singular na Bairrada, em plena Mata do Buçaco. É engarrafado apenas em anos excepcionais. O vinho fermenta e estagia em barricas de carvalho francês durante 12 meses. A fermentação maloláctica ocorre em barrica Notas de Provas: O Vinha da Mata 2010 é vigoroso, apresentando um perfil aromático complexo. Com fruta preta, flores e uma boa tosta, é um vinho estruturado, com taninos presentes mas muito finos. Revela-se complexo e intenso num final de boca muito longo. Um vinho para durar. "Beber um Buçaco é viajar no tempo, é beber um vinho glorioso, criado por Alexandre de Almeida, um visionário. Todos os apreciadores de vinho deveriam ter essa oportunidade, pelo menos, uma vez na vida." Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça (perdiz, javali), feijoada, bacalhau assado. Sugestões vegetarianas:  pratos com leguminosas (feijão vermelho, lentilhas). Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13.5% Vol.
Merlot Tinto Bairrada Niepoort
Nome: Merlot Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Merlot Idade das Cepas:  20 anos Apesar de se considerar a Bairrada como o terroir perfeito para a casta Baga, existe na Quinta de Baixo uma pequena parcela de Merlot, com pouco mais de 1 hectare, plantada há cerca de 20 anos e que é um desafio para Dirk Niepoort, sendo ele um apaixonado pelos vinhos velhos de Bordéus, de onde esta casta é originária. Com esta vinha, a intenção é produzir-se um Merlot com carácter, que expresse o fantástico potencial dos solos argilo-calcários, característicos desta região. O 2012, a primeira edição, foi vinificado em barricas usadas de carvalho francês, com mínima intervenção, seguindo os primeiros passos da Biodinâmica. Vinificação: A vinificação decorreu durante o mês de Setembro. Após uma selecção na vinha, foi efectuada uma segunda selecção na mesa de escolha. Fermentou em lagar com 20% de engaço e pisa a pé. O vinho estagiou durante 20 meses em barricas de carvalho francês, onde ocorreu a fermentação maloláctica Notas de Provas: De cor grená de média concentração, o Merlot 2012 tem um aroma clássico de frutos vermelhos, aromas de bosque e notas de couro muito delicadas. A barrica está perfeitamente integrada, dando complexidade aromática num perfil elegante mas com alguma rusticidade. No palato, mostra-se firme e com intensidade, com um bom equilíbrio entre os taninos e a acidez. Final de boca longo, bastante mineral, com frescura e persistência. O longo estágio em garrafa permitiu que o vinho se mostre agora polido, muito harmonioso e perfeito para pratos de comida tradicional Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça, cogumelos. Estufados de Vitela. Arroz de Pato à antiga. Sugestões vegetarianas:  Cogumelos shiitake e/ou Porccini. Trufa Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13.5% Vol. Análise Físico-Química Açúcar residual  G/DM3 )  1.9 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.08 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,55 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 49 Enólogo:  Dirk Niepoort
São Domingos Tinto Bairrada
Nome:  São Domingos Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga (40%), Touriga-Nacional (30%) e Tinta-Roriz (30%). História:  Um novo olhar para a Bairrada permite descobrir vinhos modernos e elegantes. A experiência de 75 anos permitiu um precioso conhecimento da região, onde a casta Baga marca vincadamente a sua presença, mostrando vinhos para um consumidor jovem que pretende um estilo agradável ao palato e boa companhia gastronómica. Nota de Prova:  Focando na fruta, elegante e madura, com notas fumadas e sugestões de especiarias e compota. Boa presença na boca, de taninos firmes e acidez bem integrada revelando muita frescura e persistência final.. Sugestões Gastronómicas:  Especialmente indicado para carnes vermelhas grelhadas e queijos. Como Servir:  Entre 16-18ºC. Teor Alcoólico:  13%  Vol. Enólogo:  Susana Pinho e Nuno Bastos
São Domingos Reserva Tinto
Nome: São Domingos Reserva Classe: Vinho Tinto Região: Bairrada Designação: D.O.C. Bairrada Castas: Baga (40%), Touriga-Nacional (30%) e Merlot (30%). História: Um novo olhar para a Bairrada permite descobrir vinhos modernos e elegantes. A sempre presente Baga acarinhada pela Touriga-Nacional e perfumada pela Merlot mostra um estilo agradável a qualquer palato. Fermentação: Após desengace total a fermentação em cuba, 70% estagiou em barricas de carvalho francês e americano durante 9 meses. A Prova: Cor rubi intensa. Aroma quente e sofisticado, com notas de chocolate e fruto balsâmico. Boca volumosa, com taninos e acidez bem casados, de final persistente. Sugestões Gastronómica: Especialmente indicado para carnes vermelhas grelhadas ou queijos. Como Servir: Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico: 13,5% Vol. Enólogo: Susana Pinho e Nuno Bastos PRÉMIOS Medalha de Bronze - IWC, International Wine Challenge 2010 Commended - Decanter 2010, World Wine Awards
Lopo Freitas Tinto São Domingos
Nome:  Lopo de Feitas Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação.  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga 85%, Castelão e Tinta Pinheira 15%. Fermentação:  Fermentação das uvas totalmente desengaçadas, a temperaturas de 28º a 30º C, com longas curtimentas e remontagens frequentes. Nota de Prova:  Cor rubi carregado. Aroma intenso, onde sobressai o carácter da casta, com frutos vermelhos bem maduros, plantas silvestres e notas subtis de boa madeira. Na boca é poderoso, com boa acidez, alguma adstringência e grande elegância. Sugestões Gastronómicas:  Especialmente indicado para pratos bem condimentados e com gordura como assados e guisados. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,0% Vol. Enólogo:  Virgílio Loureiro, Susana Pinho e Nuno Bastos
Frei João Tinto Porquê Bairrada
Nome:  Frei João Porquê Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga(40%), Touriga-Nacional(40%) e/and Merlot (20%) Vinificação: Após vindima manual, selecção rigorosa e desengace total, as uvas maceraram 8 dias em lagares com pisador pneumático a 27 ºC. No final da fermentação maloláctica, parte do vinho estagiou durante 6 meses em pipas avinhadas de carvalho francês. Foi engarrafado após clarificação mínima. Nota de Prova Cor: Granada. Aroma:  Complexo, com notas de frutos negros do bosque e framboesas, bálsamo, vegetais e especiarias. Sabor:  Estruturado, fresco, encorpado e longo Sugestões Gastronómicas:  Carnes vermelhas condimentadas, assadas ou grelhadas, enchidos, queijos e caça, entre outros. Como Servir:  Entre 17º e 18ºC Teor Alcoólico:  13,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,57 Acidez total ( g tartárico/l ) ,5,40 ph: 3,45 Extracto seco total ( g/l ): 28,1 Açucares totais ( g/l ): 3,1 SO2  Total ( mg/l ): 106 Potencial de envelhecimento:  No mínimo 10 Anos Enólogo:  José Carvalheira