Nora dos Velhos Reserva (juta) Bairrada
Nome: Nora dos Velhos Reserva (juta) Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga Vinificação:  Tradicional em lagares e fermentação espontânea Sugestões Gastronómicas:  acompanha todos os pratos e Queijos fortes Como Servir:  Entre 17º e 18ºC Teor Alcoólico:  13,5% Vol. Enólogo:  João Plácido Nota Informativa:  Desconhece-se com exactidão quando apareceram as primeiras vinhas nesta região, contudo sabe-se que quando as primeiras legiões romanas aqui chegaram já então o consumo do vinho era uma realidade entre o povo local. Desde esses tempos, século após século a vinha tem vindo a prospere assumindo actualmente um papel de grande importância na região. O solo é na maioria composto de argila (barro) nome que terá dado  mais tarde origem ao nome Bairrada - e calcário, sendo o clima influenciado pela aproximação do oceano Atlântico. Os vinhos tintos são a especialidade da região, produzidos de castas seleccionadas  tais como Baga, Castelão e Tinta Pinheiro
Kompassus Tinto Bairrada
Nome:  Kompassus Classe: Vinho tinto Região.  Bairrada Designação:  D.O.C .Bairrada Casta:  Baga - Touriga Nacional e outras castas Vinificação: O verão de 2017 foi relativamente quente, pelo que a colheita foi realizada na 4.ª semana de Setembro. Fermentação em inox com temperatura controlada, seguindo de maceração pelicular pré fermentativa. A Touriga Nacional estagiou em barricas de Carvalho Francês de 700L usada. Notas de Prova: Vinho que revela aroma frutado com nuances florais. A acidez está em excelente equilíbrio com os seus delicados taninos e com a sua estrutura. Sugestões Gastronómicas:  Carnes Brancas, Peixes gordos condimentados, Tapas e Queijos Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14% Vol. Parâmetros Analíticos Acidez Total: 5,3 g/l Açucares Totais: 3.0 g/l Álcool: 14% Vol. Enólogo:  Anselmo Mendes – Magna Costa Notas de Imprensa Revista de Vinhos Out.2012 16/20 Valores PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2014 | 16 pontos | Boa Escolha | Revista Vinho - Grandes Escolhas Agosto 2017
Kompassus Reserva Tinto Bairrada
Nome:  Kompassus  Reserva 2015 Classe: Vinho tinto Região.  Bairrada Designação:  D.O.C .Bairrada Casta:  Baga e Touriga Nacional Vinificação:  Uvas sanitariamente saudáveis com boa relação taninos e acidez. Taninos bem maduros e elegantes sem exagero na maturação alcoólica. 18 meses de estágio em barricas usadasde 700 litros. Nota de Prova:  . Bastante aromático, com notas apimentadas e frutos silvestres. Um toque floral elegante. Muita garra no sabor, fresco e firme. Bastante gastronómico. Sugestões Gastronómicas:  Carnes Brancas, Peixes gordos condimentados, Tapas e Queijos. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13,5% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 5,09 g/l Açucares totais: 2,8 g/l Enólogo:  Anselmo Mendes PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 17 pontos, Revista de Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano, Revista dos Vinhos Fevereiro 2009 Colheita 2006 - 17.5 pontos, Revista de Vinhos Janeiro 2010 Colheita 2011 - Vinho Tinto do Ano, edição anual de vinhos 2014, Revista Gula, S.Paulo /Brasil, Medalha de prata concurso vinhos de Portugal 2014 Colheita 2013 - 16.5 pontos, Revista de Vinhos Dezembro 2015, Medalha de Ouro Concurso Portugal Wine Trophy 2016
Kompassus Bairrada Baga Private Collection Tinto 2013
Nome:  Kompassus  Baga Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Vindima e Vinificação:  Setembro seco e os 5º mais quente desde 1931. Embora com pluviosidade nos últimos 5 dias.  Bom tempo em Outubro o que permitiu uma excelente maturação, cios a acidez . Vindima manual em finais Outubro 2º vindima após monda em Agosto. Desengaço Total com pisa pé. Fermentação em lagar aberto com Temperatura Controlada. Estágio em barricas de 400 litros barricas novas e usadas durante 18 meses. Nota Prova:  Muito Carácter e complexidade aromática, num registo de fruta contida, resinas, muita pimenta e especiarias . Os taninos da Baga estão perfeitamente cobertos , polidos com mestria, num vinho de grande estrutura e concentração mas ao mesmo tempo cheio de frescura e elegância. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 5,9 g/l Açucares totais: 3.20 g/l pH: 3.50 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
Kompassus Private Collection Tinto 2009
Nome:  Kompassus  Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Estagio:  Vindimado na 3.ª semana de Outubro. Vindima em tempo seco e quente — 35°C. Maturação equilibrada. Vindima com duas escolhas. Fermentação em lagar aberto com 20% de engaço e pisa a pé. 22 meses de estágio em barricas novas e usadas de 400 e 700 litros. Nota Prova:  Cheio e opulento, perfumado, com notas especiadas, barro, fruta vermelha e preta, muito complexo, austero e elegante. Poderoso mas com textura aveludada, acidez muito fresca, longo, sedutor, mas sempre sério e reservado. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 6,7 g/l Açucares totais: 4,6 g/l pH: 3,45 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
KOMPASSUS Gene
Nome:  Kompassus   gene Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga, Moreto, Bastardo e Touriga Nacional. Nota Prova: Nariz  Intenso, muito fresco, cereja, groselha, balsâmico, barrica bem integrada e giz . Muito complexo. Boca  seco, intenso, fruta compotada, taninos bem presentes, muito estruturado, acidez alta e muito longo. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14% Vol. Enólogo:  Anselmo Mendes e João Póvoa O genoma familiar de ligação à vitivinicultura remonta aos princípios do século XX, em que a cultura da vinha e a criação do vinho faziam parte do quotidiano do avô do produtor na povoação da Cordinhã, uma freguesia de solos pujantes do concelho de Cantanhede, tantas vezes apelidada de celeiro da Bairrada. Nos anos 50, os seus pais já eram proprietários de parcelas significativas de vinha e procederam à remodelação de uma casa familiar tornando-a mais apta à vinificação, sem nunca prescindirem dos métodos tradicionais. Aos 7 anos, João Póvoa baptizou-se a auxiliar nas vindimas da casa familiar. No entanto, desde essa altura constatou que não era a vinha quem mais o inspirava, mas a alquimia da adega e a criação dos vinhos que, nos anos 60, eram vendidos ao mítico director do Palace Hotel do Bussaco, José Santos, os quais vinham a compor o lote dos afamados “Buçaco”. O visionário Sr. Santos já nos anos 60 confiava no valor seguro dos vinhos do terroir da Cordinhã, mantendo durante muitos anos uma relação privilegiada com António Póvoa da Conceição, a qual se manteve até meados dos anos 80. A história, a partir daqui é conhecida, culminando em 2007 com a venda da Quinta de Baixo por razões de saúde. No entanto, a paixão de João Póvoa pela Adega e pelo vinho não cessou. Nele havia o gene da criação e o respeito pela conjugação dos factores – solos, climas e castas – que criam os grandes e míticos vinhos da Bairrada, entretanto com a marca Kompassus e 5 hectares das melhores vinhas que Deus e o Homem criaram na Bairrada. E é nesse mesmo ano de 2007 que nasce o “Gene”, vinho de autores, resultante da simbiose mãe-filho, da escolha da melhor matéria-prima, aliada a um saber que bebeu conhecimento nos antepassados, criando um vinho absolutamente clássico, com barricas adaptadas a balseiros, lagares abertos e controlo de temperatura com serpentinas artesanais. Durante 2 anos, o vinho onde manda a casta Baga, sendo acompanhada de Bastardo, Moreto e umas pitadas de Touriga Nacional, estagiou nos balseiros que foram fechados e “retransformados” em barricas, tendo outra parte estagiado em barricas novas de 300 litros, sendo este o cunho mais pessoal que João Póvoa conferiu ao vinho . De lá até cá, foi um vinho para os amigos, um vinho de convívio e preservação das relações pessoais. Hoje, torna-se um vinho para todos nós, ainda que muito exclusivo face às diminutas quantidades engarrafadas – 1500 garrafas
Kompassus Private Collection Tinto 2009 – Magnum 1,5 L
Nome:  Kompassus  Private  Collection Classe: Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Casta:  Baga 100% Estagio:  Vindimado na 3.ª semana de Outubro. Vindima em tempo seco e quente — 35°C. Maturação equilibrada. Vindima com duas escolhas. Fermentação em lagar aberto com 20% de engaço e pisa a pé. 22 meses de estágio em barricas novas e usadas de 400 e 700 litros. Nota Prova:  Cheio e opulento, perfumado, com notas especiadas, barro, fruta vermelha e preta, muito complexo, austero e elegante. Poderoso mas com textura aveludada, acidez muito fresca, longo, sedutor, mas sempre sério e reservado. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  14,9% Vol. PARÂMETROS ANALÍTICOS Acidez total: 6,7 g/l Açucares totais: 4,6 g/l pH: 3,45 Enólogo:  Anselmo Mendes Notas de Imprensa: PRÉMIOS E DISTINÇÕES Colheita 2005 - 18.5 pontos, Revista dos Vinhos Dezembro 2008, Melhores do ano Revista dos Vinhos Fevereiro 2009) Colheita 2009 -18 pontos Revista dos Vinhos Outubro 2012; 17,5 valores Revista dos Vinhos Set. 2013 2, Vinho de Excelência em Revista dos Vinhos Fevereiro 2012; 18 Valores 2011 – Garrafa Magnum 1500ml Colheita 2011 - Medalha de prata, concurso vinhos de Portugal 2015, Melhor de Portugal da região da Bairrada do ano 2014 em Revista Vinhos fev. 2015, Medalha de Prata Concurso Vinhos de Portugal, GRANDE MEDALHA DE OURO Portugal Wine Trophy 2016, 17,5 pontos (1º lugar) Painel Grandes Tintos da Bairrada, pela Revista de Vinhos, Setembro 2016; PRÉMIO DE EXCELÊNCIA
Poeirinho Tinto Bairrada Niepoort 2015
Nome: POEIRINHO Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  100 anos O Poeirinho. O Poeirinho, cujo nome é a antiga designação da casta Baga, é um tributo aos grandes vinhos bairradinos do passado, que eram leves na cor e no grau alcoólico, mas que tinham um enorme potencial de envelhecimento. A grande paixão de Dirk Niepoort por esta casta. Vinificação: 2015 foi um ano húmido, com chuva durante o Inverno e a Primavera. Como consequência, a rebentação ocorreu quinze dias mais tarde do que no ano anterior e todo o ciclo vegetativo se atrasou. O Verão não foi tão quente como habitualmente e as noites foram bastante frias nas duas últimas semanas de Agosto. A vindima começou em meados de Setembro, nas vinhas velhas, com a maturação muito equilibrada, um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, resultando numa acidez total mais alta do que no ano anterior. O Poeirinho 2015 provém de várias parcelas de vinhas muito velhas. Foi vinificado em lagar aberto e cuba fechada onde fez maceração carbónica e onde fermentou durante 4​ semanas terminando a fermentação em tonel. A fermentação malolática decorreu nos mesmo tonéis usados de 2500L, onde estagiou durante 20 meses. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação: Lagar / inox com maceração carbónica. Notas de Provas: Em 2015 o Poeirinho mostra uma cor violeta muito brilhante. No aroma é muito generoso, com fruta, muito expressivo e aromático. Com o tempo no copo demonstra muita classe, num aroma muito fino e delicado. Impressiona pelas notas salinas, marítimas, muito típicas do terroir de calcário. Na boca é muito preciso, com uma enorme estrutura e muita garra. É incisivo, profundamente mineral e refrescante, com fruta fresca (cerejas, morangos e bagas silvestres). A acidez elevada e os taninos presentes mas polidos fazem-nos crer que irá evoluir muito bem em garrafa. Final muito longo, vertical e fresco. Deve-se apreciar ligeiramente fresco (15ºC) e em copos tipo Pinot Noir. Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Extracto seco – 21.9 Açúcar  residual  G/DM3 )  1.3 PH  3.52 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.15 Acidez volátil ( G/DM3 ) 0,81 SO2  Total ( MG/DM3): 82 Massa Volúmica ( G/CM3 ) 0.99 Enólogo:  Dirk Niepoort
Poeirinho Garrafeira Tinto Niepoort
Nome: Poeirinho Garrafeira Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos Com a primeira edição do Poeirinho 2012, Dirk Niepoort resolveu deixar de parte 2 tonéis para um estágio mais prolongado, com o intuito de criar um Garrafeira da Bairrada. O vinho manteve sempre uma enorme frescura e o longo estágio permitiu que ganhasse mais complexidade e estrutura. O Poeirinho Garrafeira 2012 provém de várias parcelas muito velhas, algumas das quais centenárias Vinificação: A vindima começou em finais de Setembro. Nas vinhas velhas, a maturação foi muito equilibrada, com um bom teor de açúcar nas uvas e um teor de ácido málico relativamente alto, tendo conferido bons pHs ao vinho, embora a acidez total fosse menor do que no ano anterior. Parte do vinho foi vinificado em lagar, e outra em cubas de inox, onde fermentou e macerou durante 4 semanas. A malolática ocorreu em tonéis velhos de 2500L, onde estagiou durante 3 anos e meio. Foi engarrafado sem filtração. Fermentação:  Lagar com 20% de engaço e cuba de inox com 15% de engaço. Notas de Provas: O Poeirinho Garrafeira 2012 mostra uma cor violeta. Apresenta um nariz com uma enorme complexidade, muito expressivo nas notas de frutos vermelhos, algumas especiarias, folhas de tabaco e com um lado floral muito fresco. A pureza de aromas e a sua enorme frescura impressionam. O terroir calcário vibra no aroma e potencia a elegância e finesse da casta Baga. Na boca, é muito fino, complexo e de enorme precisão. Muito polido e com uma excelente acidez, mostra uns taninos muito delicados. Com muito carácter, este Garrafeira apresenta um enorme equilíbrio e embora ainda jovem dá já muito prazer. Final de boca refrescante, muito longo e fino, vai crescendo à medida que se vai provando. Elegante mas profundo, o Garrafeira irá envelhecer muito bem em garrafa Sugestões Gastronómicas:  Cabrito assado, pratos com enchidos, bacalhau no forno. Sugestões Vegetarianos:  Com leguminosas. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  12.0% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.6 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.18 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,58 SO2  Total ( MG/DM3): 46 Enólogo:  Dirk Niepoort
Syrah Tinto Bairrada Niepoort
Nome: SYRAH Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas: Syrah Idade das Cepas:  Entre os 80 e 150 anos O SYRAH:  Dirk sempre foi um grande fã dos vinhos de Côtes-du-Rhode, em especial dos Côte-Rotie e Hermitage. Na Quinta de Baixo, é nossa intenção fazer um Syrah com carácter, que expresse o fantástico potencial dos nossos solos argilo-calcários. Em 2012, a primeira edição foi vinificada apenas num tonel velho, com mínima intervenção e seguindo os primeiros passos da Biodinâmica. Vinificação:  A produção foi menor devido à falta de água no solo e a alguma chuva durante a floração e, como tal, os cachos e bagas apresentaram-se mais pequenos do que o normal, cerca de 20% a 30%, quando comparados com o ano anterior. A vindima começou no início de Setembro. As uvas de Syrah foram vinificadas em lagar tradicional com pisa a pé muito ligeira, onde se utilizou 20% de engaço. O vinho fermentou e estagiou num único tonel velho de 2500L, sem qualquer extracção, durante 20 meses. Notas de Provas: O Quinta de Baixo Syrah 2012 mostra uma bonita cor violeta de média concentração. Ainda muito jovem no aroma, revela-se vibrante nas notas de fruta preta e ervas. Complexo e muito elegante, com notas de pimenta preta e de pedra que espelham em perfeição todo o carácter desta casta. Na boca, é um vinho muito elegante, com um equilíbrio notável. Preciso, fino e com uma boa acidez natural. O estágio em tonel confere-lhe taninos firmes mas muito harmoniosos. Final de boca muito longo, com notas de frutos silvestres e de especiarias. Sugestões Gastronómicas:  Carne de caça, rosbife e em ligações gastronómicas com frutos silvestres. Como Servir:  Entre 16º e 18ºC Teor Alcoólico:  13% Vol. Análise Físico-Química Extracto Seco:  20.4 Acidez residual  G/DM3 )  1.5 PH  3.39 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.71 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,68 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 24 SO2  Total ( MG/DM3): 55 Massa Volúmica ( G/CM3) 0.9899 Enólogo:  Dirk Niepoort
Lagar de Baixo Bairrada Niepoort
Nome: Lagar de Baixo Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  20 anos Na sua segunda edição, o Lagar de Baixo 2013 continua com a mesma missão, a de reflectir o potencial da Baga da Bairrada, num registo clássico. O Lagar de Baixo Tinto é o resultado da junção de uvas de vinhas muito velhas com uvas de vinhas mais jovens, um tinto complexo e sério, mas com juventude e garra. Fermentação: Lagar/Barrica/Tonel Vinificação: A vindima começou nas vinhas mais novas no início de Setembro. A maturação foi equilibrada, com as uvas a apresentar um bom teor de açúcar e um teor de ácido málico relativamente alto, o que originou uma acidez total mais elevada que no ano anterior. O Lagar de Baixo 2013 foi vinificado em lagar, onde fermentou durante 4 semanas, terminando a fermentação em barrica e tonel. A fermentação maloláctica decorreu em barrica usada de 228L e em tonel usado de 2500L, onde estagiou durante 18 meses. Foi engarrafado sem filtração. Notas de Provas: Mais leve na cor que o seu antecessor, apresenta aroma de cerejas e amoras, com ligeiro perfil vegetal a lembrar engaço. A barrica está plenamente integrada, num conjunto delicado, muito perfumado e expressivo. Na boca, sente-se garra, muita precisão e taninos bem presentes, ligeiramente terrosos, muito típicos da casta Baga. Embora tenha um volume de boca ligeiro, a estrutura no palato é vigorosa, com um final de boca muito refrescante, limpo e com muita vivacidade. Com apenas 11,3% e um excelente equilíbrio, convida-nos sempre para mais um copo, sem pesar. Deve servir-se em copo Borgonha e ligeiramente refrescado (14º/15ºC). Sugestões Gastronómicas:  Pratos de caça (perdiz, javali), feijoada, bacalhau assado. Sugestões vegetarianas:  pratos com leguminosas (feijão vermelho, lentilhas). Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  11.5% Vol. Análise Físico-Química Acidez residual  G/DM3 )  1.4 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.04 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,79 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 25 Enólogo:  Dirk Niepoort  
Drink Me Nat Cool Tinto Bairrada
Nome: Nat Cool Drink me 2020 Classe:  Vinho Tinto Região:  Bairrada Designação:  D.O.C. Bairrada Castas:  Baga Idade das Cepas:  40 a 100 anos Fermentação: Em cuba de inox  Estagio:  6 meses em cuba de inox Vinificação: O ano 2020 foi um ano com alguma chuva, e com um frio intenso no mês de Março o que veio a originar uma nascença reduzida. Com uma primavera quente, a uva amadureceu mais cedo ,o que levou a uma vindima antecipada. A vindima dos vinhos brancos teve inicio a 26 Agosto, finalizando com os vinhos tintos a 26 Setembro. Foi um bom ano, com uma acidez equilibrada. Apesar do grau álcool ser mais elevado que o do ano anterior, conseguiu-se mesmo assim manter a frescura e elegância que caracterizam os vinhos da Quinta de Baixo. O NAT COOL 2020 provém de várias parcelas de vinhas velhas. Foi vinificado em inox, onde fermentou durante 5 semanas. A malolática ocorreu em Inox ,onde estagiou até ao engarrafamento. Foi engarrafado sem filtração. Notas de Provas: Muito leve na cor, mostra um perfil fresco e floral, muito franco e expressivo. O carácter da Baga e da Bairrada estão bem presentes, com boas notas de morango, rosas secas e algumas especiarias. O aroma mineral, que nos remete para o calcário e para um clima marcadamente atlântico. Fresco, direto e muito sedutor, é um vinho que não pesa, um vinho que se deixa beber com muita facilidade e que nos convida sempre para mais um copo. Muito versátil na ligação gastronómica, onde basta uma mesa com amigos para ter sucesso. Sirva refrescado. Puro prazer! Naturalmente cool! Sugestões Gastronómicas:  Pratos leves e simples, comida conforto. Como Servir:  Entre 14º e 15ºC Teor Alcoólico:  13.3% Vol. Análise Físico-Química Açúcar residual  G/DM3 )  1.5 PH 3.54 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.5 Acidez Volátil ( G/DM3 ) 0,47 SO2  Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 38 SO2  Total  ( MG/DM3 ) 56 APTO PARA VEGANOS & VEGETARIANOS sim Enólogo:  Dirk Niepoort