Quinta da Boa Esperança Rosé 3 Litros
Nome:  Quinta da Boa Esperança Classe:  Vinho Rosé Região:  Lisboa Designação: Vinho Regional Lisboa Castas:  Castelão (40%),Touriga Nacional (40%) e Syrah (20%) Nas Terras argilo-calcárias da Zibreira a Quinta da Boa Esperança é temperada pela influência marítima e beneficia de uma exposição solar de excelência. Em sintonia com a Natureza e com os antigos saberes, criamos um vinho genuíno que nos transporta a uma experiência única. Vindima:  100% manual para caixas de 15 kg Vinificação:  Desengace total e fermentação em inox com temperatura controlada de 12 graus. Nota de Prova:  De cor salmão pouco intensa, aroma fino delicado. Na boca é fresco, estruturado, intenso, com final muito longo Como Servir:  Servir a uma temperatura de 8ºC. Dados Analíticos: pH:  3,38 Acidez Total: 5.29 g/L Teor Alcoólico:  12.5% Vol. Enólogo:  Paula Fernandes
Quinta da Boa Esperança Rosé 750 Ml – 1.5 L – 3 L
Nome:  Quinta da Boa Esperança Classe:  Vinho Rosé Região:  Lisboa Designação: Vinho Regional Lisboa Castas:  Castelão (40%),Touriga Nacional (40%) e Syrah (20%) Nas Terras argilo-calcárias da Zibreira a Quinta da Boa Esperança é temperada pela influência marítima e beneficia de uma exposição solar de excelência. Em sintonia com a Natureza e com os antigos saberes, criamos um vinho genuíno que nos transporta a uma experiência única. Vindima:  100% manual para caixas de 15 kg Vinificação:  Desengace total e fermentação em inox com temperatura controlada de 12 graus. Nota de Prova:  De cor salmão pouco intensa, aroma fino delicado. Na boca é fresco, estruturado, intenso, com final muito longo Como Servir:  Servir a uma temperatura de 8ºC. Dados Analíticos: pH:  3,38 Acidez Total: 5.29 g/L Teor Alcoólico:  12.5% Vol. Enólogo:  Paula Fernandes
Vinha D´Ervideira Rosé
Nome:  Vinha D´Ervideira Classe: Vinho  Rosé Região:  Alentejo Region:  Alentejo Designação:  D.O.C – Alentejo Designation:  DOC – Alentejo Castas:  Touriga Nacional, Aragonêz, Tinta Caiada e Alfrocheiro Grape Varieties:  Touriga Nacional, Aragonêz, Tinta Caiada and Alfrocheiro Vinificação:  As castas são vinificadas separadamente, sendo conduzidas para depósitos rotativos de fermentação “Vinimatic”, onde permanecem entre 6 e 10 horas, em baixa rotação, de forma a obter-se uma suave extracção de cor. Após este período o mosto é conduzido para a câmara de frio, onde fermenta a uma temperatura controlada de 13 a 15ºC. Vinificação:  As castas são vinificadas separadamente, sendo conduzidas para depósitos rotativos de fermentação “Vinimatic”, onde permanecem entre 6 e 10 horas, em baixa rotação, de forma a obter-se uma suave extracção de cor. Após este período o mosto é conduzido para a câmara de frio, onde fermenta a uma temperatura controlada de 13 a 15ºC. Vinification:  Grape varieties are separately vinifies and then sent to rotating fermentation deposits “Vinimatics”, for 6 to 10 hours, in low rotation, in order to obtain a soft colour extraction. After this period, the must is sent to the cold chamber, for fermentation, at a controlled temperature between 13º to 15º C Longevidade:  3 a 4 anos. Longevity:  3 to 4 years Prova:  Com o potencial aromático do Aragonêz, complexado com a elegância da Tinta Caiada, desenhou-se este Rosé, pleno de aromas de frutos vermelhos, na boca surge fresco de estrutura elegante, com uma agradável persistência a convidar à degustação. Taste:  With the aromatic potential of the Aragonêz ans the Touriga Nacional, complexed by the elegance of Tinta Caiada, this rosé presents an aroma of blackcurrant and fresh plums, an elegant. Fresh structure ans a long persistence finish. Como Servir:  Entre 7 a 9º C, com peixe assado no forno, peixe fumado e saladas. How to Serve:  Between 7º and 9º C, with oven roast fish, smoked fish and salads Teor Alcoólico:  14.0% Vol. Enólogo/ Oenologist:  Nelson Rolo
Couteiro-Mor Rosé
Nome:  Couteiro-Mor Classe: Vinho  Rosé Região: Montemor O Novo -  Alentejo Designação: Vinho Regional Alentejano Castas:  Aragonez Vinificação:  Mosto arrefecido até 10º C com repouso de 48 horas. É trasfegado para cubas de fermentação a temperatura controlada de 16º a 18ºC durante cerca de 2 semanas. Estágio em depósitos de aço inox até ao engarrafamento no período de 1 ano. Sugestões Gastronómicas:  Excelente aperitivo. Liga muito bem com pratos italianos (pizzas e pastas) tal como pratos de carne grelhada pouco gorda. Como Servir:  Entre 10º e 12ºC. Teor Alcoólico:  13.0% Vol. Enólogos:  Anselmo Mendes & Diogo Lopes
Redoma Rosé Niepoort
Nome: Redoma Classe: Vinho: Rosé Região:  Douro Designação: D.O.C. Douro Castas:  30% Tinta Amarela, 20% Touriga Franca e 50% outras Idade das cepas: Entre 50 e 80 anos Vinhas:  Quinta de Nápoles e outras pequenas vinhas velhas Vinificação:  O ano de 2018 foi um ano fresco até Agosto, com o Julho mais fresco da história do sec. XXI. A maturação da videira apresentava um atraso de cerca de 3 semanas face ao ano de 2017. Nos primeiros dias de Agosto verificou-se uma forte subida de temperatura: 4 de Agosto foi o dia mais quente do século XXI (até à data), tendo a maturação das uvas prosseguido lentamente durante o mês de Setembro. Devido ao stress hídrico imposto, as plantas originaram mostos com pouca graduação alcoólica e boa maturação fenólica, com bastante complexidade e mineralidade. As uvas do Redoma Rosé provêm da Quinta de Nápoles e de várias parcelas de vinhas velhas próximas. Foram vindimadas entre os dias 15 e 25 de Setembro. Após seleção criteriosa na mesa de escolha, seguiu-se uma prensagem delicada e decantação a frio durante 48 horas. A fermentação alcoólica ocorreu espontaneamente em barricas de carvalho Francês de 228 e 500 litros, onde repousou durante cerca de 5 meses Fermentação: Em barricas de Carvalho Francês.   Estágio: 5 meses em barricas de Carvalho Francês Notas de Prova:  Com uma tonalidade salmão leve e brilhante, o Redoma Rosé apresenta um aroma muito fino mas expressivo nas notas de flores secas, frutos vermelhos, iodo e um perfil ligeiramente tostado. Com boa presença na boca, seco, é um rosé altamente gastronómico e harmonioso. É fresco e com bom equilíbrio entre acidez/estrutura, termina muito longo e elegante. Tal como as colheitas anteriores, a evolução em garrafa será muito interessante Sugestões Gastronómica:  Ostras, peixe no forno, aves e carnes brancas. Sugestões vegetarianas: pratos com tubérculos (nabo, batata doce, beterraba), salada César, pratos com queijo. Como Servir:  Entre 7 e 9ºC. Teor Alcoólico:  12.2% Vol. Análise Físico-Química Extracto Seco: ( G/DM3 ) 17.2 Açúcar Residual ( G/DM3 )  1.4 PH  3.39 Acidez Total ( G/DM3 ) 5 Acidez volátil ( G/DM3 ) 0,5 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 29 SO2  Total ( MG/DM3): 71 Massa Volúmica ( G/CM3 ) 0.99 Enólogo:  Dirk Niepoort. APTO PARA VEGANOS & VEGETARIANOS sim
DrinkMe Rosé Niepoort
Nome: Drinkme Classe: Vinho: Rosé Região:  Douro Designação: D.O.C. Douro Castas:  30% Tinta Amarela, 20% Touriga Franca e 50% outras Idade das cepas: Entre 30 e 60 anos. Quinta de Nápoles e outras pequenas vinhas velhas Vinificação:  A vindima da parcela que origina o Fabelhaft Rosé 2014 começou no dia 5 de Setembro. As uvas são provenientes de vinhas com cerca de 30 anos. Todas as uvas passaram por uma selecção criteriosa na mesa de escolha e foram encaminhadas por gravidade para lagares de inox, onde permaneceram algumas horas. Depois do contacto com a película durante um pequeno período de tempo, a fase líquida fermentou:  lentamente com as borras finas, durante 7 meses, a uma temperatura muito baixa. Este vinho foi engarrafado no dia 5 de Março de 2015. Notas de Prova:  De cor salmão muito leve e viva, mostra um aroma de frutos vermelhos e silvestres. Muito jovem no aroma, com perfil fresco e elegante. Sendo um rosé apetitoso para se beber novo, mostra-se muito vibrante e intenso no palato. É perfeito para aperitivo, bem como para pratos leves. Final muito elegante, com frutos vermelhos e notas minerais. Sugestões Gastronómica:  Mariscos cozidos ao natural, peixes leves e carnes brancas. Sugestões vegetarianas:  Pratos com tubérculos ( nabo, batata doce, beterraba ), salada César e pratos com queijo. Como Servir:  Entre 7 e 9ºC. Teor Alcoólico:  12.5% Vol. Análise Físico-Química Extracto seco – 18 Acidez residual ( G/DM3 )  1.1 PH  3.37 Acidez Total ( G/DM3 ) 5.06 Acidez volátil ( G/DM3 ) 0,37 SO2 Livre de Enchimento ( MG/DM3 ) 36 SO2  Total ( MG/DM3): 80 Massa Volúmica ( G/CM3 ) 0.9888 Enólogo:  Dirk Niepoort.
Frei João Porquê Rosé Bairrada
Nome: Frei João Porquê Rosé Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Baga (60%) Touriga Nacional (30%) Cabernet Sauvignon (10%) Vinificação: As uvas criteriosamente escolhidas foram vindimadas na primeira quinzena de Setembro, no momento ideal de maturação, foram prensadas suavemente e o monstro fermentou em cuba de aço inoxidável a 16º C Nota de Prova Cor:  Olho-de-perdiz. Aroma:  Intenso a frutos vermelhos, complexado por agradáveis nuances vegetais. Sabor:  Distingue-se pela sua frescura e suavidade gustativa. Sugestões Gastronómicas:  Peixes e carnes magras, massas e comida asiática. Potencial de envelhecimento:  No mínimo 2 Anos Como Servir:  Entre 6º e 9ºC Teor Alcoólico:  12,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,40 Acidez total ( g tartárico/l ) ,6.70 ph: 3,19 Extracto seco total ( g/l ): 20.1 Açucares totais ( g/l ): 1.5 SO2  Total ( ml/l ): 61 Enólogo:  José Carvalheira
Quinta Poço Lobo Rosé Bairrada
Nome: Quinta Poço do Lobo Rosé Classe: Vinho Branco Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Baga (50%) e/and Pinot Noir (50%) Vinificação: As uvas criteriosamente escolhidas foram vindimadas na primeira quinzena de Setembro, tendo sido prensadas suavemente, e o mosto resultante fermentado em pipas de carvalho avinhadas e em cuba de aço inoxidável, a temperatura controlada. Concluída a fermentação alcoólica efectuou-se batonnage durante 7 meses. O estágio sobre borras prolongou-se por 8 meses. Foi engarrafado em Julho de 2016. Nota de Prova Cor:  Olho-de-perdiz muito pálida. Aroma:  Muito elegante e complexo, com notas de pétalas secas de flores, mineral e de frutos vermelhos frescos Sabor:  Na boca é muito elegante, completamente seco, fresco e bastante longo. Sugestões Gastronómicas:  Canapés, peixes e carnes magras, entre outras iguarias Potencial de envelhecimento:  No mínimo 4 Anos Como Servir:  Entre 10º e 12ºC Teor Alcoólico:  12,0% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,40 Acidez total ( g tartárico/l ) ,6.70 ph: 3,19 Extracto seco total ( g/l ): 20.1 Açucares totais ( g/l ): 1.5 SO2  Total ( ml/l ): 61 Enólogo:  José Carvalheira
99 Anos de História Caves São João
Nome: 99 Anos de História Classe: Vinho Rosé Região:  Bairrada Designação:  DOC Bairrada Castas:  Pinot Noir 100% Como Servir:  Entre 10º e 12ºC Teor Alcoólico:  12,5% Vol. Enólogo:  José Carvalheira Mais um passo em direcção ao Centenário – 10ª Edição. O vinho seleccionado para retractar a década de 2010 / 2020 foi um Rosé Pinot Noir de 2018 com Denominação de Origem Bairrada. Integrado no projecto de Comemorações do 1º Centenário das Caves São João que terá lugar, em 2020, lançámos no mercado mais um vinho agora com o rótulo 99 Anos de História Caves São João. Esta edição apresenta um tema alusivo ao Bosão de Higgs, também chamada a partícula de Deus, que é uma partícula elementar, teoricamente surgida logo após o Big Bang, descoberta em 14 de Março de 2013. Vinificação: Criámos este vinho com as nossas melhores uvas da casta Pinot Noir, nascidas num dos mais perfeitos terroirs da Bairrada, tendo sido vindimadas na última quinzena de Agosto e prensadas muito suavemente. O mosto obtido foi ligeiramente clarificado por sedimentação estática e fermentou em pipas de carvalho avinhadas. Concluída a fermentação alcoólica efectuou-se battonage em barrica durante 7 meses, ao que se seguiu um período de repouso em cuba de cimento antes do engarrafamento, que aconteceu em Agosto de 2019. ANÁLISE SENSORIALCor Olho-de-perdiz muito pálida. Aroma:  Muito elegante e complexo, com muito ténue sensação frutada, notas de vegetal seco e minerais. As notas de madeira de carvalho onde fermentou totalmente e amadureceu são muito ténues. Sabor: Na boca é completamente seco, rico, muito longo, fresco e persistente. Como Servir:  Entre 10º e 12ºC Teor Alcoólico:  12,5% Vol. Análise Físico-Química Acidez volátil ( g acético/l ) 0,29 Acidez total ( g tartárico/l ) 6.4 ph: 3,16 Extracto seco total ( g/l ): 21.9 Açucares totais ( g/l ): 1.5 SO2  Total ( ml/l ): 94 Potencial de Envelhecimento: No mínimo 5 Anos Enólogo:  José Carvalheira
Adega de Penalva Rosé
Nome: Adega de Penalva Classe: Vinho Rosé Região: Dão Designação: D.O.C Dão Castas: Touriga Nacional e Aragonês Vinificação: Vinho com maceração durante 24 horas seguida de sangria. Fermentação: Em cubas de inox com temperatura controlada. Nota de Prova: Este vinho apresenta-se fresco na boca com uma acidez e aromas a fruta vermelha bem viva. Sugestões Gastronómicas: Pratos de peixe ou carnes mais leves. Como Servir: Entre 6 a 8ºC. Teor Alcoólico: 12.5% Vol.  
Boina Rosé
Nome:  Boina Rosé Classe:  Vinho Rosé Região:  Douro Designação:  D.O.C. Douro Castas:  Touriga Francesa (80%) e Touriga Nacional (20%). Origem: Uvas provenientes do extremo sudeste da região do Douro Superior, numa zona de transição xisto/granito a uma altitude de 650 m, com exposição predominante a Norte. Vinificação:.  Recepção com desengace total, seguida de prensagem muito suave (só foi usado o mosto-lágrima). Clarificação a 7°C durante 3 dias. Fermentação em cubas inox a cerca de 15°C. Fermentação:  Estágio. 5 meses em cubas de aço inoxidável com bâtonnage (3 meses). Nota De Prova:  Aroma. Notas de romã, framboesa e morango. Sabor. Bom volume e redondo na boca, tendo um final longo e seco. Temperatura:  Entre 8º a 10ºC. Teor Alcoólico:  12% Vol. Análise Físico-Química Álcool Vinho:  12.3% PH  3.38 Acidez Total ( G/DM3 ) 4.7 Enólogo:  Nuno Aguiar e António Olazabal Ferreira.
Pormenor Rosé
Nome:  Pormenor Classe:  Vinho Rosé Região:  Douro Designação:  D.O.C. Douro CastasUvas típicas da região.  Tinta Roriz, Rufete, Touriga Francesa e Tinta Barroca. Vinhas: Velhas com idade Superior a 50 anos. Fermentação:  Segue a linha Pormenor ou seja, fermentações indígenas, mínima intervenção, vinho pouco extraído, álcool contido, muito focados na frescura/mineralidade. Tem um tanino polido, no nariz um ligeiro toque a morangueiro. Na boca, pouca concentração Estágio de 7 meses em barricas usadas de carvalho francês 225 L . Nota de Prova:  Ligeira fruta vermelha e tanino das barricas. Sugestões Gastronómicas:  Peixe grelhado e Mariscos, Carnes Brancas, Massas. Como Servir:  Entre 8º e 10ºC Teor Alcoólico:  13% Vol. Enólogo:  Luís Seabra e Pedro Coelho