Champagne Ayala Majeur Brut Nature
Nome:  Champagne Ayala Majeur Brut País de Origem:  França Região de Origem: Champagne - França Denominação de Origem: A.O.C. Champagne. Castas: 45 % Chardonnay • 35 % Pinot Noir • 20 % Pinot Meunier Região de produção: A região de produção de A.O.C. Champagne está localizada na região de Champagne-Ardenne, a noroeste de França, fundamentalmente nos  arredores dores das cidade de Reims y Épernay O resultado de quase quatro anos de envelhecimento na adega, esta cuvée Brut Nature reflete o know-how e a qualidade da casa Ayala. A sua ausência de dosagem confere-lhe uma pureza e precisão que o tornam um parceiro ideal desde o aperitivo até à sobremesa O mesmo espírito:  Puro é expresso através da baixa dosagem e da vinificação em cuba de aço inoxidável, que garante que os aromas primários sejam respeitados. Um estágio prolongado de três anos nas caves confere o toque final a este cuvée, onde equilíbrio e precisão coexistem com requinte e elegância Vinificação:  120 cubas individuais de aço inoxidável hospedam um cru específico, variedade de uva e ano. Este tratamento cuidadoso da matéria-prima permite preservar a integridade e personalidade de cada cru, de modo a criar um blend de extraordinária diversidade. Detalhes Técnicos:  Envelhecido por uma média de 4-5 anos sobre borras Nota de Prova: Cor Dourado claro, bolhas abundantes e finas. Nariz: Aberto e expressivo. Delicado, revelando notas de frutas cítricas, flores e frutas brancas. Palato: Equilibrado, combinando frescura e vinosidade. Preciso, frutado, com um final longo. Harmonização:  O melhor aperitivo de champanhe, Brut Majeur também acompanhará harmoniosamente todos os momentos da refeição: peixe branco, marisco, aves ou um prato de queijos Sugestão gastronómica: Aperitivo, Peixe, Marisco e crustáceos, Cozinhas do Mundo Teor Alcoólico:  12% Vol.
GIN Viognier Monte das Bagas
Nome:  Gin Viognier Monte das Bagas Origem:  Alentejo Ingredientes:  Zimbro, Coentros, Margaça, Raiz de Angélica, Malaguetas, Hortelã, Casca Tangerina, Orégãos e Cardamomo Nota Informativa:. Este Monte das Bagas Gin foi elaborado tendo como base a destilação de zimbro, ao qual juntámos peliculas de uvas prensadas da casta Viognier. Quisemos desenhar um Gin recorrendo aos botânicos: Zimbro, Coentros, Margaça, Raiz de Angélica, Malaguetas, Hortelã, Casca Tangerina, Orégãos e Cardamomo cultivados no Monte das Bagas em Serpa, que resultasse numa inspiração primaveril, fresca e floral. Este Gin remete-nos para as memórias dos passeios matinais no Monte, onde a expressão e o diálogo com a natureza traduzida pelas brisas florais nos toque a alma e refresque os sentidos. Inspirado na Primavera, proporcionando um prazer único todo o ano... Grau Alcoólico:  42% Vol. Enólogo:  Nelson Rolo / Paulo Maurício
Porto Niepoort Colheita 1934
Nome: Porto Colheita 1934 São Tawny de um só ano, envelhecidos nas tradicionais Pipas de Vinho do Porto de 550 ou 600L por um período mínimo de 7 anos antes de serem engarrafados. Geralmente, os vinhos apresentam-se prontos a serem bebidos e sem necessidade de serem decantados. Os Portos Colheita são magníficos se servidos sozinhos no final da refeição embora combinem muito bem com sobremesas à base de frutos secos e caramelo ou baunilha, café. Como aperitivo, e no caso de um Colheita novo, a combinação com fois gras é também muito interessante. Vinificação: Nevou na região em Fevereiro e Março. As vinhas mostravam-se com um mês de atraso no seu ciclo vegetativo quando a Primavera chegou. O tempo aqueceu em meados de Abril mas a temperatura só aumentou verdadeiramente no final de Julho, princípio de Agosto, quando se atingiram temperaturas de 42 ºC. Na 2ª metade do mês de Agosto o tempo arrefeceu e a chuva caiu durante 10 dias. Durante a vindima choveu também na 2ª quinzena de Setembro. O clima irregular do ano de 1900 com alguns vinhos de grande qualidade foi um ponto de partida fulcral para que após uma criteriosa selecção o processo de envelhecimento nas pipas de 550 e 600 L se desenrolasse por um longo período aumentando ainda a concentração e qualidades deste Colheita. Notas de Prova: Alguma profundidade na cor, apesar da sua idade, apresenta alguns reflexos âmbar/esverdeados. O seu aroma leva-nos numa viagem infinita, com notas de fumo bem marcadas, acompanhado por notas de fruto seco torrado e café. Na boca salientam-se as notas de ameixa e figo seco com alguma baunilha. O conjunto é muito delicado e elegante. O final de boca é agradável e termina interminável. Uma experiência inesquecível. Informação Técnica: Produtor Niepoort (Vinhos) S.A. Região Douro Tipo de Solo Xisto Vinhas Vale do Pinhão e Ferrão Idade das Cepas Mais de 60 anos Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Tinta Roriz e outras Densidade por HA 4000-6000 Período de Vindima Set/Out Forma de Vindima Manual Fermentação Lagares/Pisa a pé Estágio Pequenos cascos de madeira (550L) Açúcar Residual 142.69 Álcool 22.11 Baumé 6.1 Acidez Total 6.52
Porto Quinta do Noval Vintage 2000
Nome:  Porto Quinta do Noval Vintage 2000 Região: Douro Sub-Região:  Gontelho, Cima Corgo Teor alcoólico: 20.0 % Vol. Curva de Envelhecimento: Pelas características organolépticas prevê-se uma maturação na garrafa positiva durante 3-10 anos. Conservação na cave: Humidade 70% e temperatura 14ºC. Sugestões gastronómicas: Servir com queijos e sobremesas não muito doces Como Servir:  Decante 2 horas antes e sirva por volta dos 16-18ºC Com amoras e cerejas. O doce médio maravilhoso, com taninos ultra refinados e um revestimento muito longo. Muito concentrado, contudo elegante e suave.
Porto Valriz Very Old Tawny 1858
NomePorto Valriz Very Old Tawny 1858 Historia do vinho Porto Valriz Very Old Tawny (1858) Vinho do Porto da colheita de 1858 foi produzido e engarrafado por Domingos Ayres de Mattos (1829-1890) e por si guardado na cave da “Casa de Cima”, sua residência. Seu filho Antonio Ayres de Mattos (1879-1956), pai dos atuais sócios da empresa familiar “Coimbra de Mattos, Lda.”, ciente da sua boa qualidade e talvez motivado por razões sentimentais, quis deixar aos herdeiros o destino de tal “tesouro”. Em 1969 e 2013 este vinho foi provado garrafa a garrafa e o que estava limpo de prova (quase todo!) foi de novo engarrafado. Este maravilhoso e único tawny (com mais de século e meio em garrafa!) foi colocado em 2013 ao dispor de quem por saber, prazer, paixão, … é apreciador do Vinho do Porto de superior Qualidade. Designação - D.O.C. – PORTO Castas:  Mistura das castas nobres do Douro Notas de Prova Cor - Âmbar com tons esverdeados Aromas - Intenso, que vai aumentando durante a prova, com aromas a mel, fruta caramelizada, café, notas de caril, tabaco e chocolate Sabor - Muito concentrado, aveludado e extremamente complexo de riqueza gustativa, com uma persistência de boca que ultrapassa a noção de tempo; uma autêntica surpresa sensorial! Nota:  É um vinho que pela sua idade, superior a 150 anos, merece que se “espere” por ele no copo para que demonstre a sua complexidade quer no aroma quer na boca. Classificado com notação de qualidade excepcional pelo IVDP, com o registo n.º 17872 Teor Alcoólico:  20.4% Vol. Análise Físico-Química Açúcar Baumé:  5.0 Acidez volátil ( G/DM3 ) 0.89 Enólogo:  Jean Hugues Gros
Porto Constantino Colheita 1910
Nome:  Porto Constantino  Colheita 1910 Classe: Porto Região: Douro Castas: As melhores e mais Nobres Castas Tintas do Douro Idade das Cepas:  80  e mais de  100 Anos Vinificação:  O clima irregular do ano de 1910 com alguns vinhos de grande qualidade foi um ponto de partida fulcral para que, após uma criteriosa selecção, o processo de envelhecimento nas pipas de 550 e 600l se desenrolasse por um longo período, aumentando ainda a concentração e qualidades deste Colheita. Estagio:  Pequenos cascos de madeira (550l) Notas de Prova:  Com alguma profundidade na cor, apesar da sua idade, apresenta alguns reflexos âmbar/esverdeados. O seu aroma leva-nos numa viagem infinita, com notas de fumo bem marcadas, acompanhado por apontamentos de fruto seco torrado e café. Na boca salientam-se as sugestões de ameixa e figo seco com alguma baunilha. O conjunto é muito delicado e elegante. O final de boca é agradável e termina de forma interminável. Uma experiência inesquecível. Sugestão de Acompanhamento: Ideal para acompanhar Sobremesas, Doces, Queijos da Serra e Frutos Secos Teor Alcoólico:  21.0% Vol. Análise Físico-Química Açúcar Residual  G/DM3 )  142.69 Baumé:  6.1 Acidez Total ( G/DM3 ) 6.52
Porto Real Vinícola Garrafeira 1942
Nome: PORTO REAL VINICOLA GARRAFEIRA 1942 Um inverno muito seco seguido por uma primavera fria causou o retardo da floração, mas um pouco de chuva em junho acelerou a maturação das uvas. A vindima começou, em geral, a 2 de setembro. O tempo foi incerto a partir do dia 28 e, no seu todo, cinzento e fresco. As fermentações foram lentas.
Porto Taylor`s Vintage1945
NomePorto Taylor`s vintage1945  A primeira colheita pós-guerra foi um ano clássico marcado pela seca. O vinho foi engarrafado em Portugal devido a restrições legais em Inglaterra. "Cor aloirada profunda com estreita auréola âmbar. Muito poderoso, denso, quase avassalador, mostrando vigor extraordinário e muito fundo. Ainda incrivelmente jovem. Rico, opulento, bolo inglês de frutos secos coberto por fragrâncias florais delicadas e complexas. Enorme diversidade de aromas que conseguem combinar-se harmoniosamente. Lindamente equilibrado e elegante.”
Porto Feist Colheita 1937
Nome:  Porto Feist Colheita 1937 Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Tinta Roriz Os Portos Colheitas são Tawny de um só ano, envelhecidos nas tradicionais Pipas de Vinho do Porto de 550 ou 600L por um período mínimo de 7 anos antes de serem engarrafados. Geralmente, os vinhos apresentam-se prontos a serem bebidos e sem necessidade de serem decantados. Os Portos Colheita são magníficos são servidos sozinhos no final da refeição embora combinem muito bem com sobremesas à base de frutos secos e café também como aperitivo. Notas de Prova: Alguma profundidade na cor, apesar da sua idade. O seu aroma leva-nos numa viagem infinita, acompanhado por notas de fruto seco torrado e café. Na boca salientam-se as notas de ameixa e figo seco com alguma baunilha. O conjunto é muito delicado e elegante. O final de boca. Uma experiência inesquecível. Sugestões:  Apreciar como aperitivo. Acompanha sobremesas doces. Como Servir:  Sirva por volta dos 17-18ºC Teor Alcoólico:  21% Vol.
Nóia Branco Adega do Montado
Nome: Nóia (Ganda Nóia) Classe:  Vinho Branco Região:  Alentejo Designação:  Vinho Regional Alentejano Castas:  Arinto 50%, Antão Vaz 30% e Viognier 20% Este Vinho foi inspirado, sonhado e desenhado a partir das castas Arinto, Antão Vaz e Viognier. A inspiração surge na magnifica paisagem das nossas vinhas, onde as videiras crescem e permitem produzir uvas de grande qualidade, e com extraordinário potencial. Este vinho é fiel, com uma identidade e cumplicidade única, como o nosso Nóia Nota de Prova:  Desenhar o vinho foi elaborar de forma precisa e cirúrgica o Blend final. Potenciar o Arinto, privilegiando a acidez, frescura e salinidade e desta forma integrar a tropicalidade do Antão Vaz, com a sedutora e sublime expressão de alperce, acácia e violetas do Viognier. Como Servir:  Entre 6 e 8º C Sugestões Gastronómicas:  Com pratos de peixe cozido ou grelhado. Como Servir:  Entre 6 e 8º C. Teor Alcoólico:  13% Vol. Acidez Total: 4,9 g/L Acidez Volátil: 0,24 g/L Açucares Totais: 0,6g/dm3 Enólogo:  Enólogo/Winemaker | Nelson Rolo / Paulo Maurício
Nóia Tinto Adega do Montado
Nome: Nóia (Ganda Nóia) Classe:  Vinho Tinto Região:  Alentejo Designação:  Vinho Regional Alentejano Castas:  Sangiovese 40%, Touriga Franca 40% e Alicante Bouschet 20% Este vinho foi inspirado, sonhado e desenhado a partir das castas Sangiovese, Touriga Franca e Alicante Bouschet. A inspiração surge na magnifica paisagem das nossas vinhas, onde as videiras crescem e permitem produzir uvas de grande qualidade, e com extraordinário potencial. Este vinho é fiel, com uma identidade e cumplicidade única, como o nosso Nóia Nota de Prova: Desenhar o vinho foi elaborar de forma precisa e cirúrgica o blend final. Potenciar a estrutura tânica do Sangiovese, com a frescura e jovialidade da Touriga Franca envolvido nas expressões de cacau, menta, especiarias do Alicante Bouschet.... Como Servir:  Entre 12 e 14º C. Teor Alcoólico:  14% Vol. Acidez Total: 4,4 g/L Acidez Volátil: 0,61 g/L Açucares Totais: 1,1g/dm3 Enólogo:  Enólogo/Winemaker | Nelson Rolo / Paulo Maurício